quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Último texto

Chegamos ao dia 31 de dezembro de 2008. Este é o texto número 300 deste ano aqui neste espaço. Muitas pessoas leram, acompanharam esta minha maneira meio louca de enxergar as coisas, esta busca por uma igualdade, a busca por um amor tão igual e sincero. Aqui, deixei lágrimas, desabafei, acho que até chorei. Gostei desta brincadeira de escrever. Foi meu irmão que pediu pra eu fazer este blog, ele disse que eu tinha muito o que dizer e precisava deixar em algum lugar. Procurei deixar sempre "artigos", sei que não consegui fugir da poesia, mas procurei não deixar poemas, mas tem, eu acho rs.

Neste próximo ano darei ênfase ao grande objetivo: lançar o livro de poemas junto com Márcio Ahimsa, é difícil, sabemos, mas chegaremos lá. Aqui, neste espaço, pretendo seguir a mesma linha de escrito, que fiz este ano: artigos, alguns textos e frases eróticas, pretendo também dá ênfase a assuntos relacionados ao Brasil, não ao Brasil que vivemos, mas ao Brasil que não conhecemos - o Brasil que Darcy Ribeiro tanto lutou pra mostrar.

Confesso que 2008 foi muito corrido para mim, trabalhei muito, dia e noite, praticamente. Em 2009 voltarei a estudar, ainda não sei se darei aulas, sou professor. Deixo claro: ser professor é a profissão que tanto me orgulha, mas preciso fazer pós. Trabalho numa empresa durante o dia, infelizmente a educação paga um salário miserável, não dá para comprar o pão e passar a manteiga. rs.

Espero que todos que leram meus textos tenham aproveitado alguma coisa, gosto quando criticam, quando deixam comentários. Deixo uma mensagem para todos: a passagem de um ano não é coisa importante, importante mesmo é a mudança que você faz a cada momento em que percebe que está vivo.

Vocês que leem meus escritos não se preocupem em querer saber o que escrevi, o leitor dificilmente lê o mesmo texto que o autor fez, cada pessoa faz a sua própria leitura e interpretação, e isso é muito importante.

Agradeço a todos, de coração e mente - rs - desejo muita paz, amor e felicidades... Sempre que puderem, leiam os textos que ainda não foram lidos.

bjs e abraços a todos.

adenildo lima

E o sonho que se foi...

Tudo é sonho. E sem ele, a esperança também morre.

adenildo lima

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Quase só

Sozinho, caminho sem saber pra onde. Onde você está? Estou cansado, e esta luta me cansa. Meus pés estão calejados de tanto andar. Te procuro: onde, aonde estás? O teu sorriso, guardado aqui dentro de mim, permanece vivo e cheio de esperança, mas não sei por onde andas. E sozinho te procuro.

Te procuro, não pelo fato de estar sozinho, mas pelo simples motivo de querer te encontrar. Eu tenho esperança e acredito no amor. Sempre acreditei! Você não mostra seu rosto, esconde o barulho dos seus passos, e eu saio, louco, te procurando.

Te procurando eu vou na esperança de poder um dia beijar sua face, e mais uma vez sentir seu amor. Você sabe o quanto te amo, o quanto te quero. Neste momento, sinto que mais um ano se aproxima, e outro fica, mas isso é apenas um ano. O tempo não existe, os dias não existem, nada existe. Em mim, existe apenas a esperança de poder ficar diante de ti, e me sentir tão igual e humano. Só isso, e basta para sermos mais felizes!

adenildo lima

O beijo e o abraço

Lembro do beijo da menina solitária, ela estava com tanto amor, e me deu. Seu carinho, seu abraço... me fizeram tão feliz. Ela ainda lembra os nosso corpos juntos encontrando a outra metade que o tempo tinha deixado por aí. Mas o amor se foi, e agora estou noutros braços. Mas o amor voltou, e agora estou em teus braços. Mas o amor acabou, e agora te peço teu carinho, teu abraço, teu amor.

adenildo lima

Brasil

Escuto e vejo muitos brasileiros se orgulhando de serem brasileiros. Eu também já fiz isso, hoje, penso melhor, antes de falar qualquer coisa. Ser patriota não é levantar a bandeira do brasil em época de futebol, em época de carnaval.

Moramos num país muito rico, rico mesmo! mas é dominado por ladrões e malfeitores, desde 1500. A educação, dar vergonha entrar numa sala de aula. Os alunos sem objetivos de vida, isso nas escolas públicas; as particulares não me interessam - tô cansado da burguesia. As Universidades, os professores-doutores colocam o diploma na cara e ficam lendo livros, como se os alunos fossem idiotas, e muitos são.

O ensino caminha para o pior, assim, o país também, já que a educação é a base de tudo. O Brasil, Zeus! a imprensa, quase toda comprada pelos grandes meios do poder capitalista. A saúde, Zeus! não dar pra comentar neste assunto. Me irrita muito!!!

Ainda bem que o Brasil é o país do futuro! e têm pessoas que acreditam nisso - tanta ignorância!!!

adenildo lima

A morte

Quem já parou para pensar "MORTE"? Poucas pessoas fazem isso. Sabemos que ao nascer, já estamos predestinados a ela. Ela, muitas vezes, é o começo de uma grande jornada, nos dar força, coragem, sonhos, esperanças... Eu acredito que o maior sentido da vida é a morte, há quem duvide de mim.

Seria monótono demais viver eternamente, qual seria o sentido da vida saber que sempre iríamos viver? o gostoso da vida é os objetivos, os sonhos, a luta diária; isso nos dar prazer. Não precisamos pensar na MORTE, precisamos apenas viver bem. E viver bem não é se curvar diante de si mesmo, não é perder as forças, e muito menos, querer ser melhor do que os outros.

Ao sabermos que um dia vamos morrer, pra que tesouro e ganância? Por que não apenas amor? Sócrates comparava a morte com um sono. E na verdade é um sono, um sono eterno. Então vamos pensar sobre isso.

Somos seres, considerados, pensantes. Ser um ser pensante é ir além dos seguimentos impostos e postos em nossas vidas. Vejo os estudiosos repetindo tudo o que os outros falaram. Precisamos ser UM, e não apenas mais Um. Por isso, para não morrermos vivos e continuar andando como cadáveres, vamos enfrentar a morte e ir além do que muitos dizem.

adenildo lima

X

Tudo o que você conquista pode acabar, o conhecimento não, ele te acompanha sempre, e até te torna eterno, sem precisar de ter religião.

adenildo lima

IX

Muitos professores universitários são iguais aos antigos gravadores.

adenildo lima

VIII

A solidão é um vazio que você precisa conhecer, e preencher; sem lágrimas.

adenildo lima

VII

Você leitor, nunca lerá o que eu escrevi, lerá apenas o que consegue entender, e interpretar.

adenildo lima

VI

A morte, ela é o melhor ponto de partida para valorizar a vida.

adenildo lima

V

A vida é como um sopro... um vento... a vida é o que você vive. Só isso!

adenildo lima

IV

Te observo através de uma janela, às vezes você parece uma aquarela.

adenildo lima

III

O meu amor é igual uma semente jogada à terra, se você cultivar, ele nascerá, e crescerá.

adenildo lima

II

Uma bela mulher é tão bela quando não mostra apenas o corpo.

adenildo lima

I

Admiro os poetas e os arquitetos, mas um poeta-arquiteto, seu poema tão pouco me emociona.

adenildo lima

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Calendário do tempo

Hoje é dia 29 de dezembro de 2008. Faltam poucos dias para que este ano termine. Foram mais de 300 dias vividos, suprimidos, seguidos. O tempo não espera você tomar banho, lavar a alma, ou sujá-la. O tempo é rápido (silenciosamente) caminhante por aí. Em alguns momentos um segundo vale mais do que uma hora, uma hora mais do que um dia e um dia bem mais do que um ano, é a relatividade nossa diante dos obstáculos.

Um segundo é realmente importante. Conversando com uma mulher de aproximadamente 40 anos, ela disse: depois de tantos anos vividos, consegui chegar ao orgasmo. Parece que ela tinha ganhado a vida, a eternidade. Muitos momentos da nossa vida serão lembrados por toda a vida; alguns serão de alegrias, outros de tristeza. Os de trsiteza, podemos jogá-lo fora, não vale a pena viver e reviver sofrimentos.

Sei que, hoje é dia 29 de dezembro. Eu olho o tempo e vejo tantas nuvens perdidas no infinito do universo. E o tempo segue sem nos esperar. Ganhe um calendário, mas não seja controlado pelos dias, controle-os.

adenildo lima

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

E as folhas?

"Pra não dizer que não falei das flores"

http://www.youtube.com/watch?v=D_cQz6IElgc&feature=related

Felicidades pra todos!!!

adenildo lima

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

São

Não sei se você conseguiu enxergar.

Mas a água corre e escorre na corredeira das beiras do lago afogado nas lágrimas do refugiado maltratado pisado excomungado saindo sem saber o rumo o caminho a direção a oração a ação e se são as vozes da dicção de uma nação e são o que eu não sei caminhei esburaquei tratei renovei a luta nua desnuda no silêncio de um silencio ouvindo o barulho da água que me fazia lembrar o som de um rio.

adenildo lima

domingo, 21 de dezembro de 2008

Mulher e homem

As mulheres dão flores, os homens que colhem espinhos.

adenildo lima

sábado, 20 de dezembro de 2008

O silêncio da noite

Lembra? você me olhou, pegou em minhas mãos, apertou carinhosamente. Senti seu coração batendo, apaixonado. Apaixonado fiquei ainda mais. Um lugar simples e atraente. Ouvíamos o som harmonioso da natureza. A água descia pelas pedras, e seu barulho era atraente e gostoso aos nossos ouvidos. Você me abraçou, lembra? senti seu corpo apertando o meu, seus seios encostando-se em meu peito. Sua voz suave em meu ouvido me excitava. Seu beijo carinhoso em meu pescoço, fazia com que o mundo lá fora deixasse de existir. Algumas pessoas brincavam naquela casa de campo, e nós, fazíamos amor. Nada mais gostoso do que fazer amor. O amor é sagrado, nos deixa feliz. E ainda lembro, tirando sua roupa e vendo o seu corpo nu: a mais perfeita obra de arte que a natureza criou. Seus lábios doces, sua pele saborosa, sua voz suave. O silêncio da noite, o som da natureza, juntos a nós... tudo isso podemos chamar de amor. E o amor nasce no silencio de dois olhares. E nada é mais importante do que o amor.

adenildo lima

Cáfria

Existem momentos da nossa vida em que sentimos saudades de alguma coisa, agora mesmo senti saudade de Cáfria.

Cáfria, moça bela e mãe, teve tantos filhos, mas com o passar do tempo seus próprios filhos foram desprezando-a. Hoje, Ela é uma mãe solteira e, mesmo sendo desprezada, trabalha o dia inteiro para alimentar seu filho que fica em casa.

Seu filho ainda é criança. Ela muitas vezes chora, por não poder secar as lágrimas daquele inocente. E ela sabe que tem algo muito podereso querendo matá-la e querendo destruir ou comprar a inocência de sua criança. Ela corre para cuidar dos filhos dos brancos, enquanto os seus ficam em casa, sem mãe.

Sinto saudades de Cáfria, nome bonito, sonoro ao meu ouvido... eu luto por Cáfria para que não façam o seu luto. Eu brigo por Cáfria, também é minha mãe. Cáfria é esquecida, gostaria de não saber o motivo, mas eu sei. Sei, e fico feliz por saber, assim posso fazer alguma coisa por Cáfria.

Cáfria, Cáfria, Cáfria... quais palavras posso expressar por teu imenso amor? amor de mãe é infinito, eu sei.

adenildo lima

O momento

Agora mesmo, tive vontade de escrever um poema, mas a poesia não vem, o grito não vem, a fala não vem, a sede não vem, a menina sorridente não vem, a escuridão não vem... nada vem nesse momento.

Agora mesmo, lembrei das palavras de um poeta, mas as lembranças não vem, as palavras não vem, o sonho não vem, a realidade não vem, a escuridão apagou a luz no breve penar da noite e, a luz não vem.

Agora mesmo, percebo que não posso escrever nada além daquilo que não vem.

adenildo lima

O mundo editorial

O mundo do comércio tem lá seus ditos e ditados, segue seu percurso conforme a exigência comercial. Ontem uma amiga me perguntou: mas qual editora vai publicar seu livro no próximo ano?

(Esse livro, Ela se referia a um projeto meu e do poeta Márcio Ahimsa). Disse, nenhuma editora, nós não precisamos de editoras para levar nossa poesia, se eles quiserem, venham a nós, nós não!!!

É melhor vender 100 Exemplares de um livro e poder falar, conforme em que acredita, a vender um milhão e perder o direito a sua voz. Um homem sem a fala é um robô controlado pelo sistema, por um controle remoto.

O mundo editorial é lindo, é maravilhoso... afinal, faz livros para serem trabalhados nas escolas, para serem lidos nos transportes públicos (que por sinal é vergonhoso em SP), e lendo conseguimos enganar o aperto aperta da sardinha enlatada. A única coisa que mata o meio editorial é o capitalismo. Existe guerra mais poderosa do mundo do que o capitalismo?

Enquanto isso sigo o meu caminho, caminho espinhoso mas gostoso.

adenildo lima

Caminhos de espinhos

O poeta. O que é um poeta?

Tentar definir um poeta seria o mais ridículo de alguém que escreve ou fala. Ele não tem definição, é um ser feliz, triste, alegre, contente, descontente, solitário, junto demais... caminha numa estrada com muitos espinhos, flores, amores e dores... não é de Deus nem do Diabo, tem horas que é dos dois, mas não é de ninguém.

Tem uma visão aguçada capaz de enxergar tudo em sua altitude, enquanto muitos veem lá... escondidamente. O poeta é o próprio Deus, é o próprio Diabo... afinal, ele caminha entre o bem e o mal, entre o mal e o bem, mas não pertence a nenhum deles. Não tem partido, não tem religião, não usa marca colada em seu corpo, tem apenas amor.

Um poeta ama mesmo, e ama!!! acho que ninguém ama mais do que um poeta. Ele transforma a merda em ouro e consegue provar que as fezes de um cachorro têm mais importância do que o discurso de uma gravatinha engomada. Não estou sendo contra aos engravatados, mas têm muitas pessoas que deixam de ser eles mesmos para ser a sua gravata, a sua roupa, o seu sapato, o seu ESTATOS.

Mas também existem poetas agarrados em propagandas e se propagam para desfrutar dos seus poemas para seus Status. Ridículo!!! - perdão, mas isso não é poeta, é um mero produto do sistema, assim como Pedro Bial fala que é poeta, com seu belo rosto nos progamas de Big Irmãos... (rs).

A poesia é a alma de uma mãe. De uma criança que ainda nem conhece a maldade do adulto. só sei que o poeta caminha pisando espinhos e colhendo flores.

adenildo lima


segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

O tempo e o vento

Hoje eu saí para passear, com aquela vontade de abraçar o vento, beijar a lua, sentir as estrelas...
Hoje eu procurei um verso em todos os livros de poesia para definir o que sentia a minha alma...
Hoje eu quis o futuro, eu quis o passado, eu quis o presente... eu quis você...
Hoje eu descobri que você estava longe... longe... longe... por isso quis abraçar o vento...


Eu quis abraçar o vento e beijar as estrelas e sentir o frio da lua aquecendo minha alma...
Eu quis caminhar livremente pelas calçadas das ruas sem ter ninguém para me impedir...
Eu quis você ao meu lado... só você... mas você estava longe... longe... longe... por isso caminhei...


Caminhei nos sonhos de uma criança, na esperança de um senhor....
Caminhei adiante pisando na terra de concreto que doía e doía.... a terra até chorava...
Caminhei querendo abraçar o sol e sentir você...


Mas você estava longe, longe, longe...
Mas você não apareceu...
Mas você não me disse bom dia...
Mas você me deixou sozinho caminhando...


Onde, aonde anda você?...

Adenildo Lima

Casamento

Ontem eu falei: vou casar só depois dos 60 anos. Alguém perguntou: Mas quem vai querer? só se você estiver podre de rico! E eu respondi. Estarei pobre, e casarei, vou provar para todo mundo que a mulher não é capitalista-materialista.

Todos riram: homens, mulheres e crianças... confesso que não entendi o motivo das gargalhadas.

adenildo lima

1988 - Brasil constitucional

Neste momento procuro palavras para falar da nossa pátria. Primeiro, não sei se começo falando de Fátria, Mátria ou Pátria. É difícil!

Uma pátria sem mátria deixa um vazio num colo mais amado da humanidade, o colo da mãe. Uma pátria sem família é um vagabundo dizendo que é pai. Não fiquem com raiva de mim mas, neste momento, preciso me expressar. Sei que a Constituição Federal do Brasil de 1988, me assegura o direito de expressão.

O direito de expressão é algo tão bonito, tão humano, o cidadão poder falar do que sente, do que deseja, mas infelizmente isso no Brasil não é permitido, pois a fome consome a força do brasileiro falar. Mas a Constituição também assegura o direito à comida, à saúde, ao emprego, à educação... assegura o direito a tantas coisas.

É vergonhoso o que prega a nossa Constituição. Mas você, caro amigo cidadão, tem todo o direito de conhecer seus direitos e deveres.

Um dia meu pai falou: filho, você podia ser doutor... Perguntei: doutor?!!! ele acrescentou... advogado, médico... e eu respondi: Pai, um dia serei Doutor de Verdade, cursarei a minha especialização, meu mestrado e meu doutorado... aí, direi.. sou Doutor, mas sem a merda do diploma tapando a minha face.

Doutores mesmo são Patativa do Assaré, Cora Coralina, Drummond... e o meu pai... Ele sim, me ensinou tudo o que nenhuma Univerdade será capaz de ensinar.

adenildo lima

sábado, 13 de dezembro de 2008

Meu aniversário

No dia 10 de dezembro, foi meu aniversário. Aniversário, festa... nada disso. Aniversário faço todos os dias. Festa? não tenho dinheiro o suficiente. Mas sempre tive o dia do meu aniversário como o dia mais importante pra mim.... mas com o tempo isso vai mudando.

O número 10, por exemplo, é algo que todo munda deseja - eu nasci dia 10 - rs - mas isso pra mim nunca quis dizer nada, não acredito em numerologia rs. O número 10, porém, passou a ter outro significado, quando há um ano e dois meses recebi a notícia "10/10/07 às 10:10 da manhã. Pausa, vou explicar...

dia dez de outubro, outubro é mês 10
10h10m. tantos 10

Nesses números recebi a notícia de que meu pai tinha partido. A partir daí o dez tem um significado meio triste, sei lá....

Em nossa vida temos muito o que comemorar: uma família, Amigos e demais pessoas e objetivos alcançados. É bom receber uma ligação de alguém desejando tudo de bom, muita paz, amor e felicidades, isso mostra que a pessoa tem um determinado carinho por nós.

Tenho muito para dizer, mas tão pouco para falar. Agradeço a todos que têm a paciência de LER e acompanhar os pensamentos do Adenildo Lima...rs....


adenildo lima

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Fim de ano

Mais um ano está terminando. Muitas pessoas fazerm suas crenças e acreditam que o próximo vai mudar. Mudar o quê? Será que muda apenas pelo fato de terminar dezembro e começar janeiro? São perguntas questionáveis ao meu ponto de vista.
Primeiro, não é a passagem de um ano que vai fazer brilhar estrelas em nossas vidas. Segundo, o ano passa todo dia, basta apenas olhar fixamente para dentro de nós e veremos como as coisas podem mudar... esperar um ano é muito tempo!!!
adenildo lima

Foram apenas palavras

Diante das palavras, ficamos perguntando quais são seus significados. São vários, são milhões... Lembro quando te falei de assuntos tão importantes para mim, você ignorou, fez de conta que nada foi comentado. Tudo bem, mas quero que saibas: não foram apenas palavras. O seu silêncio dói até hoje.
A melhor maneira de ignorar ao outro é não respondendo, fazendo esse faz de conta.
adenildo lima

domingo, 7 de dezembro de 2008

O passageiro do voo dois mil e alguma coisa

A mulher queria trepar de qualquer jeito, mas o homem não tinha dinheiro suficiente para pagar a trepada dela. A noite estava muito bonita, tinha um homem morto lá no meio da avenida e uma criança pedindo comida num restaurante. O homem sentou na calçada e tentou abraçá-la com amor. Ela recusou. Ele abriu a carteira. Ela sorriu. Mas o maldito não tinha o dinheiro. Uma festa no outro lado da avenida estava rolando, e os adolescentes estavam todos felizes. Era tão bonito olhar aqueles jovens viajando como se fosse em um conto de fadas, acho que a noite pra eles era verdadeiramente como vê estrelas na imensidão coberta de neblina.

A mulher se levantou e saiu com passos lentos à direção do homem que tinha deixado de ser homem para ser o corpo de um homem. Ao chegar diante dele, ela pôs a mão em sua carteira e tinha duas notas de cinqüenta reais. Foi tão gostoso que ela gozou ali mesmo, e nem lembrou mais do homem vivo que não tinha o dinheiro suficiente. Foi embora e nem percebeu que aquela carteira era de um homem que tinha feito a mais bela viagem para a eternidade.

A madrugada começou a se aproximar, o sereno da noite começou a esfriar o corpo da mulher dos cem reais. Ela precisava se aquecer. Uma viatura fazia ronda, mas os faróis estavam apagados e não conseguiu ver o corpo do homem da avenida. Uma saia pequena, umas pernas bonitas, uns seios bem decotados – a mulher era atraente! Os policiais eram homens gentis e deram carona a ela pra protegê-la do frio da madrugada.

Coitada, dela! Quando o sol nasceu estava tão quente que o seu corpo ficou todo bronzeado. A madrugada é bela e a mulher nem sabe se é fria ou quente. O homem na calçada continua sentado com o seu amor querendo abraçá-la. A viatura às vezes pára defronte ao bar e troca uma idéia com os jovens viajantes. E alguém continua voando no vôo dois mil e alguma coisa.

adenildo lima

(obs: este artigo foi publicado aqui mesmo no mês de abril)

sábado, 6 de dezembro de 2008

Eu e você

Descreva-me, mas não diga nada que não saiba.

adenildo lima

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Deixa

A conquista parece algo simples, às vezes sem valor; outras vezes banal. Mas ela é tão difícil, tão complicada, você não sabe o quanto caminho para conquistar alguém.

Muitas madrugadas, fiquei pensando numa palavra que falasse por mim, todo o meu sentimento, escrevi várias frases para dizer o que sentia. Nada! no final descobri que precisava caminhar mais para chegar ao seu encontro.

Lembrei dos teus cabelos negros, dos teus óculos escondendo o teu olhar, lembrei do teu sorriso me levando a esta estrada. Você não sabe o quanto caminhei para chegar aqui.

Agora, você diz que não te vejo como especial, como parte integrante do meu viver; isso não é verdade. Todas as minhas conquistas fazem parte de mim. Não diga nada, não fale nada, deixa eu te abraçar, deixa eu passar todo esse amor que tenho para que nossos corpos se unam. Deixa!

Deixa tudo, mas não deixe de acreditar que eu te amo!

adenildo lima

a mãe e o menino

- menino, o que você tanto escreve?
- uma carta de amor, mãe.
- mas ainda existe amor, nesses tempos?
- se não existir, eu faço, mãe.
- isso lá é resposta pra sua mãe?!
- sim - e é o que estou fazendo: um ato de amor.

adenildo lima

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

E foi amor...

O mundo é uma grande contraversão. Um inverso indo em páginas perfeitas aos olhos da estupidez humana. O amor, no meio de tantas controvérsias, perde o seu valor diante dos passos corridos dessa humanidade que não sabe pra onde vai.
Qual o objetivo de correr tanto, trabalhar 10h ou mais por dia? Qual o caminho a ser seguido para viver? O que fazer num futuro breve, onde na verdade, na maioria das vezes, quando o futuro chega, a morte está ao lado, e quando não é a morte, é uma aposentadoria de merda. O que estamos fazendo: se erguer diante de um cargo e achar que é melhor do que os outros...? É ignorar o amor e achar que tudo na vida é para se banalizar geral?
Não sei. Só sei que cada um vive conforme acredita que é, mas é necessário... termos uma visão aguçada diante das coisas. Não podemos permitir a escravidão abertamente abstrata-concreta diante de nós, diante de tantas coisas que parecem boas, mas que são produtos de manipulação.
Vejo as religiões, hoje, por não ter nenhuma, me sinto até mais à vontade para falar. Que acreditem em Deus, que acreditem, sei lá em quê, mas é necessário não deixar as responsabilidades de conquistas nas mãos de um deus. Acredito que, quando a Bíblia fala que Deus está dentro de cada um, na minha interpretação, fica claro: não espere que caia do céu!!! oh... vai à luta!!!
Tudo bem que vejo Deus no seu olhar, no seu abraço, na natureza... tudo bem que deixei de acreditar em tudo para acreditar simplesmente no amor, para assim, poder ficar mais perto de você que é budista, católico, quer seja qual religião for, quer seja qual crença for...
Precisamos saber que ninguém é superior a ninguém, pelo amor de zeus!!! rs !!! - se você se coloca numa posição onde responde por um determinado público, seja humano apenas, permita que as pessoas se expressem, que digam seu ponto de vista... dialoguem, não se coloquem como: eu falei tá falado. Isso é ridículo!
E, já que foi o amor que me trouxe aqui para falar que te amo sem perguntar se me amas, deixo em aberto para você amar também sem escolher cor, ou qualquer coisa mais.

adenildo lima

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Você

Você parece a mulher que passa, passa lentamente, às vezes. Você tem o olhar da mulher que amo, mas que se encontra tão distante. Toco seus lábios, sinto sua língua suave na minha, aperto teu corpo, mas você some. Você parece muito com a mulher que estava sentada ao meu lado, lá no escurinho do cinema.

Ainda lembro aquele beijo gostoso. O beijo é o início de tudo, mas você some quando eu penso que te beijei. Você parece muito com a menina que passa: passa na praça sem graça com graça e apressa a pressa que regressa depressa e some às avessas. Você promete que quando passar vai deixar eu te acompanhar?

Você parece muito com a menina que eu amo, e passa.


adenildo lima

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

dezembro

Olá, pessoal!!!
quem ainda não leu o que eu escrevi em novembro, leiam!!! (Marcela, nao deixe de visitar esta página!rs)

Agradeço a todos vcs, mas não esqueçam que no dia 10, é meu aniversário. rs!
Agradeço mesmo, de todo coração.

Felicidades a todos e um bom mês de dezembro para todos nós.

adenildo lima

sábado, 29 de novembro de 2008

Dentro de mim

Dentro de mim, existe vários livros para serem escritos. Um deles é Caminhos de um poeta. Alguns irão chamá-lo de autobiográfico; outros dirão que é a minha história. E eu direi apenas que não é simplesmente um livro. Talvez ele seja escrito daqui a 30 anos, daqui a muitos anos. Não sei, mas carrego esse livro dentro de mim, se construindo a cada dia que se passa, se fazendo história... vai ser um enredo lindo, uma narrativa de vida, talvez seja Vinícius, o personagem principal; não sei, talvez seja apenas um garoto brasileiro.

Dentro de mim, tem centenas e centenas de livros para serem escritos, eu sei disso. Agora em 2009 eu e o poeta Márcio Ahimsa estamos com um projeto bem antigo: lançar um livro juntos. Estamos tendo apoio de pessoas muito importantes; pessoas humanas - dois professores maravilhosos, eles que tanto conhecem deste mundo de poesia, aceitaram nosso humilde pedido, isso é mais do que uma honra para nós.

Carrego dentro de mim, tantos poemas esperando apenas para serem escritos, tantos poemas! às vezes eu trabalho alguns poemas em sala de aula, escritos por mim. Essa semana mesmo, trabalhei um, não coloquei o nome do autor, só no final fiz isso. Os alunos discutiram, debateram sobre o assunto, até disseram que o autor daquele poema era um louco, quando ficou sabendo que o autor era eu, pediu desculpa. Por que desculpa? - eu perguntei. A loucura é o que faz mudar o mundo - falei, e em seguida brincamos. rs - em seguida pedi pra eles escreverem alguma coisa. O intervalo tocou, vários alunos agradeceram a aula, e saíram felizes.

Dentro de mim, carrego o sonho de uma criança, a esperança de uma mãe diante do seu filho. Quando eu escrever o meu livro (não sei quando), mas o Brasil nesta época já conhecerá o poeta Adenildo Lima. Essa semana ao imprimir 300 páginas com mais de 500 poemas meus, para registrar, fiquei espantado e perguntei: pra que poesia? é, já escrevi um monte...rs... escrever para mim, é vomitar o que eu não consigo engolir, é mostrar um pensamento meu, diante de tantos obstáculos da vida.

O meu livro, Caminhos de um poeta, o personagem vem do nada, praticamente do nada, mas a sua história vai ganhando vida em cima do sangue caído pelos pés calcados na longa caminhada, mas se alguém pensar que tem um poeta sem ser sofrido, está enganado. Pessoa, Camões, o próprio Drummond, Cora Coralina, Patativa do Assaré... Sim, têm alguns que tiveram uma vida de burguês, mas para escrever é preciso ter sofrimento. Retratar a vida na arte, precisa por alma nela, e quem não sofreu nesta vida, não tem em si o retrato da arte. A arte tem a face que você tem, que você consegue enxergar.

Mas quem sabe um dia você me encontra por aí e me dará bom dia, e eu te abraço, e conversamos um montão de coisas. Na vida, nunca quero ser professor, quero ser apenas um rapaz que entra em sala de aula e divide o pouco que sabe com aquelas pessoas que estão ali , que tanto têm para nos ensinar, e dividindo se aprende mais. Não quero ser nunca o professor tradicional, quero poder sentar à mesa com alunos e tomar um cerveja, um suco, um guaraná, brincar e poder ver no olhar de cada um que nenhum deles me veem como superior, e sim, como um amigo, como alguém que tanto estuda para dividir com eles.

(Na vida, só precisamos aprender a respeitar, depois disso, tudo caminha bem)

Não, nunca quero ser o poeta da elite, dos estudiosos... nunca! quero ser o poeta do povo, quero ouvir um dia alguém dizer: este cara é o poeta do povo, escreve para o povo. Tenho medo de intelectuais, eles colocam um diploma na cara e escondem os olhos. Sem o seu olhar não posso te abraçar, amigo.

Sim, um dia eu escrevo o nosso livro: terá a minha história, a sua, você será personagem principal em cada página... Hoje mesmo, acabo de escrever um pouco de nós.

adenildo lima

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

O amor e suas interpretações

As pessoas se matam e se matam procurando definir o amor. Eu, sinceramente, acho tudo isso uma grande bobagem. Amor se vive, e pronto! Buscar definições em palavras?

Adenildo Lima

Uma criança e um voto

Hoje, conversando com uma jovem garota, ela me perguntou qual o motivo de deixarem tantas crianças nas ruas: jogadas, abandonadas, cheirando cola, sem escola...

Eu elevei o olhar para o infinito, tentei uma explicação com palavras mais simples, mais leves, mas apenas disse: uma criança na rua é uma fonte de votos!

Percebi que ela se assustou um pouco, mas acho que ela em seguida conseguiu entender. Ri, abracei-a e segui a caminhada da vida.

Adenildo Lima

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Um banho e água fresca

No dia 14 deste mesmo mês viajei pra uma chácara lá em Campinas. Uma amiga me convidou, e eu fui. Primeiro, quero dizer que foi maravilhoso.

Um lugar muito bonito, excelente lugar. Ao chegar, já era um pouco mais de meia noite de sexta, dia 14. Ficamos bebendo e conversando. Tive uma recepção, sem comentários: boa demais!

A galera, uma turma muito gente boa. Conhecia pouca gente, além da minha amiga. Tirei esses dias para descançar. Foi muito bom. O dono da chácara, me recebeu com muito carinho, batemos um dominó, foi muito bom. rs

Umas belas garotas, davam um determinado flash no olhar dos rapazes. Jovens bonitas, confesso. Como dizem, um poeta observa e vive o que pode. Rs.... mas têm momentos da vida que tiramos realmente para o descanço.

Resumindo: foi maravilhoso!!!

Adenildo Lima

domingo, 23 de novembro de 2008

O momento

O momento. O que é?

Falar do momento é algo que eu, sinceramente, não sei explicar. Num momento tanta coisa pode acontecer. Pode ficar para sempre, pode trazer boas lembranças, sempre! como pode ser uma lembrança dura. Mas neste momento eu só queria mesmo poder dizer para todos que a única coisa que tenho para dar, é amor.

Adenildo Lima

Lembranças

A ausência é algo muito forte, quando estamos diante dela, ela parece uma mulher desfigurada. Às vezes as lágrimas tentam molhar o rosto sofrido com o que se foi. A mente guarda as melhores lembranças, e tenta nos enganar que nada aconteceu, mas é difícil diante deste vazio.

Sinto que uma parte foi de mim, eu não queria falar isso, mas fazer o quê, né? Parece que o universo está perto de um infinito que eu não posso alcançar, é uma paz na solidão, é uma pausa no retrato, eu não consigo olhar.

Adenildo Lima

Verso X

Com tanta correria você acabou esquecendo que eu te amo!

Por Adenildo Lima

Verso IX

As palavras tem sabor, experimente-as!

Por Adenildo Lima

Verso VIII

Mulher, você é tão bonita com toda essa maquiagem que não consigo ver a sua beleza interior. Desculpa, mas não entendo nada de moda.

Por Adenildo Lima

Verso VII

Um poeta escreve seus versos, pena que muitos ainda não conseguiram entender que as palavras tem sabor.

Por Adenildo Lima

Verso VI

Desculpa, amigo, mas você não conhece nenhum outro livro além da Bíblia?

Por Adenildo Lima

Verso V

São mentiras demais para eu me humilhar te adorando. O que fez Joana Dark?

Por Adenildo Lima

Verso IV

Na vida existe dois caminhos: a escolha é de cada um!

Por Adenildo Lima

Verso III

No momento lembro de você, mas a minha lembrança é apenas versos.

Por Adenildo Lima

Verso II

Dentro de cada ser humano existe um monstro, existe um anjo... a escolha é sua.

Por Adenildo Lima

Verso I

São apenas palavras, tudo o que eu digo, se forem importantes para você, aproveite-as!

Por Adenildo Lima

Minha linda paixão

Começo escrever este texto sem saber o que vou falar. É madruga, e estou meio cansado, eu acho. Durante ao dia, fui ao centro comprar livros, comprei um monte. Encontrei um livro da autora que eu tanto amo. Ah, descobri, vou falar de paixão, já que estou apaixonado por Ela.

O nome dela é Cora Coralina, sinto que a cada dia que a conheço (através de seus poemas) fico mais apaixonado. Ela é simples, e a simplicidade me encanta. Escreve livremente, fala das coisas simples da vida, do cotidiano. Publicou seu primeiro livro aos 75 anos de idade. Ela nasceu na cidade de Goiás em 20 de agosto de 1889. A parte do falecimento, eu gostaria de não comentar, mas Ela deixou de andar por esta terra, como matéria, em 1985.

Mas um poeta não morre, impossível isso acontecer "Sou raiz, e vou caminhando/ sobre as minhas raízes tribais." - com estes dois versos Ela retrata que continuaria viva. As palavras dela, são palavras que qualquer homem fica feliz ao ouvir. Cada palavra é verdadeira, é alma, é simples, é transparente; estou apaixonado mais e mais por Ela.

"Dizia o meu avô: / Quando as coisas ficam ruins, / é sinal de que o bom está perto." - Ela mostra afinidade com as coisas ruins e nos mostra que nada é para fazer baixarmos a cabeça. E em outro poema Ela acrescenta "Aqueles que acreditam / caminham para a frente" - Caminhar para a frente é não ter medo de si mesmo, e é isso que ela nos passa.

Estes trechos de poemas retirei do livro VINTÉM DE COBRE, meias confissões de aninha, pela Editora UFG.

Eu creio

Creio nos valores humanos
e sou a mulher terra.

Creio em Garça e na sua gente.
Creio na força do trabalho
como elos e trança do progresso.

Acredito numa energia imanente
que virá um dia ligar a família humana
numa corrente de fraternidade universal.

Creio na salvação dos abandonados
e na regeneração dos encarcerados,
pela exaltação e dignidade do trabalho.

Acredito nos jovens à procura de caminhos novos
abrindo espaços na vida.

Creio na superação das incertezas
deste fim de século. - CORA COLARINA

Diante das palavras dela, me sinto tão feliz, e aprendo tanto.

Por Adenildo Lima

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Apenas palavras, talvez!

Hoje, olhando suas fotos, tive vontade de estar ao seu lado. Veio-me uma lembrança gostosa, um sentimento de amor por ti; mas nunca nos amamos, eu sei. Mas lembro aquele abraço repetido que você me deu; você ainda era casada, hoje não mais.

Teu sorriso mostrando teus lábios molhados, teu olhar por detrás daqueles óculos, aquela pele macia; juro! tive vontade de estar ao seu lado. Eu já te escrevi, você não respondeu, te convidei para um momento mais próximo, entre mim e você: um restaurante talvez, você não respondeu.

Eu, sinceramente, não sei explicar este sentimento. Sempre te vi passando, indo e vindo; sempre te achei bonita, confesso, mas nunca tinha sentido este sentimento: um sentimento misturado com um desejo de beijar os seus lábios, sentir o seu corpo; sentir o seu corpo, hoje ao olhar sua foto tive vontade de estar ao seu lado.

Talvez aquele abraço, tenha sido de uma pessoa que, por alguns assuntos particulares estivesse carente... te peço perdão se foi, mas senti algo diferente. Um sentimento naquele momento me envolveu. Talvez um beijo apenas em seus lábios molhados realize os meus desejos aguçados por ti.

Mas se nunca eu poder sentir o seu corpo e beijar os seus lábios... me perdoa, mas você é culpada, nem me deu o direito de falar que eu estou sentindo isso por você. Aceita o meu convite, é apenas um convite. Pena que talvez você nunca leia este texto. Não sei, talvez até você leia, mas não saberá que falo de você, como ter certeza, né?

"Este menino sonhador de nome Vinícius fala tantas metáforas, talvez este texto nem seja real".

Por Adenildo Lima

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Verso V

Me ame sem medo, mas permita que o medo seja tempero para o nosso amor.

Por Adenildo Lima

Verso IV

A minha casa é muito pequena para guardar ódio.

Por Adenildo Lima

Verso III

A madrugada esfria a fria calçada que acolhe o meu corpo.

Por Adenildo Lima

Verso II

Diante de uma enorme barreira, o tocar dos lábios foi mágico.

Por Adenildo Lima

Verso I

O tempo não é tão mau assim, para ser capaz de roubar o tempo de amar.

Por Adenildo Lima

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Sonhos

Ontem eu sonhei em teus braços, mas você apenas disse: fica um pouco mais. E eu fiquei, mas quando acordei você estava tão longe. Parece que o vento levou você de mim. Sem você, fiquei diante de uma noite estrelada, olhando cada detalhe do universo. Mas eu te amo, mesmo em meus sonhos quando fico contigo, consigo ser mais feliz, afinal a vida é mesmo uma ilusão.

Por Adenildo Lima

Pedidos

Você me pediu um tempo, mas quando foi que estivemos juntos?

Por Adenildo Lima

domingo, 9 de novembro de 2008

2º ato

Depois do google, os intelectuais que temos, perderam bastante. rs
Por Adenildo Lima

Iº ato

Esqueça de mim, mas nunca se esqueça das palavras que te falei.

Por Adenildo Lima

Iº ato

Fique longe de mim, mas não se esqueça que vim de tão longe para ficar ao seu lado.

Por Adenildo Lima

sábado, 8 de novembro de 2008

Em cada olhar

São milhões de olhares perdidos por aí, caminhando sem saber pra onde. Ruas movimentadas, transportes públicos lotados, trânsito infernal. Eu sou um neste meio de tantos, mas não quero ser apenas mais um.

Todo contexto é interpretado conforme o seu conhecimento. Eu procuro interpretar com um olhar de uma nação, não posso ficar feliz, esperando apenas que o mundo esteja bom pra mim. Ser individualista só é importante enquanto se começa pensar, mas em seguida o pensamento precisa ser compartilhado.

Digo e repito várias vezes que não gosto de intelectuais. Sim, realmente não gosto, tenho pavor a este povo que se diz intelectual. Eles são pessoas mesquinhas, com um pensamento de superioridade, com estato burguês, herança de um pensamento existente desde muitos anos.

O conhecimento serve para fazer com que a sociedade desfrute dele em conjunto, que ajude a ter uma nação com objetivos sociais-humanos. Mas alguém conhece os intelectuais de hoje? (...)

Tenho grande orgulho de Darcy Ribeiro, Milton Santos - mas eles eram do povo nunca levantaram títulos acadêmicos como caminho a ser seguido; pelo menos até onde conheço.

São milhões de olhares perdidos: alguns até se encontram na subida de uma escada rolante dentro de uma estação de metrô; outros, apenas passam com o vento. Hoje, estou conformado que não posso mudar o mundo. Quem pode fazer isso? O mundo é muito grande, é infinito. Precisamos mudar o mundo que podemos alcançar com as almas, com o pensamento, com o olhar infinito do amor; tenho certeza: muitos mundos mudarão.

Que o seu abraço, amigo, não venha com a intenção de um pensamento inimigo. Vamos nos abraçar; no caminho, um sempre precisa do outro, podem ter certeza.

Por Adenildo Lima

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Os lábios e os beijos

Duas bocas se beijando, dois corpos se amando...
Os desejos se aguçam, os corpos tremem,
Os adultos voltam a ser crianças,
E choram, e brincam, e ficam tão felizes!

Por Adenildo Lima

A cama e o travesseiro

Você deitou sobre a cama, deixou uma luz bem calma, silenciosa, vestida com uma roupa transparente, uns lábios molhados, e me convidou para deitar contigo. Deitei. Te vesti de jambo, e nos amamos.
Por Adenildo Lima

A chuva

Estávamos sozinhos, lembra? Peguei em sua mão, você gelou e disse: não. Acariciei-a com muito carinho, elevei o braço ao seu pescoço, e nos beijamos. O filme passou, nem lembro o que aconteceu, você foi imagens e lembranças para mim, naquele momento. Hoje, procuro a chuva como amiga para não lavar os meus lábios tocados e beijados pelos seus.
Por Adenildo Lima

Eu e você

Enquanto eu olhava pela janela do meu quarto, lembrei de você, me veio uma lembrança tão forte, acredita? Mas uma cena que ficou gravada em minha mente foi aquela, naquele dia: eu te encontrei num lugar qualquer, debaixo de uma breve chuva que caía. Você me abraçou, apertou fortemente o meu corpo, senti seu coração pulsando acelerado, nossos corpos se uniram com tanta intensidade. Até parece algo banal, mas as coisas mais simples da vida, para mim, muitas vezes, são as mais importantes.
Por Adenildo Lima

domingo, 2 de novembro de 2008

Fátria sem mátria















Amamenta teu filho, deixa que ele sinta o bico do seu peito em sua língua, aliás, somos teus filhos, mamamos o teu leite, e até derramamos o teu sangue. Mama África, hoje, aflita lutando por um espaço em pleno século XXI, neste país imperial.

Sente sua cultura sendo massacrada a cada dia que se passa.

Mama África, você grita, chora, implora... lutando por escola, por universidade, por moradia; fala, poucos ouvem. Há tantos séculos!!!

Nos teus seios, mama, toda a terra já mamou, mas você não é prostituta não, você é mãe, e qual amor se mede ao teu? Mama, jogada nas calçadas das grandes cidades brasileiras, mas alimenta seu filho, mesmo sem apoio, sonha e acredita que pode salvar esta pátria preconceituosa: País de índios massacrados, país de índios assassinados: Brasil!

Brasil, tenho vergonha de tanto sangue derramado. As Academias Universitárias são verdadeiras prisões. Os estudiosos têm tanto poder em suas mãos para lutar contra o poder, esse poder político e podre! Mas, os professores, nas Universidade de Medicina, não ensinam aos alunos para lutar contra o sistema; na verdade, ensinam a entrar no sistema - Absurdo!

Os cursos de Filosofia, não ensinam aos alunos a lutarem contra este poder destruidor ,que é a mídia, a política; sendo sincero, não ensina aos alunos a serem Ser pensante, ensinam a entrarem no sistema - absurdo!!!

As Universidades de Direito não ensinam aos alunos a usarem o conhecimento a favor da nação. ensinam a usarem contra. Universidades!!! Centros acadêmicos, vocês são parte integrante de tudo isso que estamos vivendo.

Já as religiões, não pregam o amor, pregam um deus que faz guerra, que ama o dinheiro, que faz o seu "fiel" olhar com preconceito diante de um negro, diante de um jovem que se veste com um determinado estilo... Que deus é esse?!!!!

Não vão me dizer que é o homem que faz isso, lembrem-se: o homem é imagem e semelhança de deus, como fala a bíblia, então... pensem sobre isso!!!

Mama África continua tentando alimentar seu filho... e nós, o que estamos fazendo?

Por Adenildo Lima

sábado, 1 de novembro de 2008

1º de novembro

Queridas e queridos que visitam este blog, agradeço por sua leitura, agradeço seus comentários, afinal, hoje, esta página tem mais importância com a sua participação. Obrigado!!!

Um bom mês de novembro pra todos nós!!!!

Adenildo Lima

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Momentos X

O número 10 é apenas um número, você é quem faz com que ele se torne importante.

Por Adenildo Lima

Momentos IX

O sonho acontece hoje, amanhã é um dia que não chega nunca. A realidade também acontece hoje.

Por Adenildo Lima

Momentos VIII

A solidão é um momento em que você pára pra poder ficar um pouco mais com você mesmo.

Por Adenildo Lima

Momentos VII

Disseram que papai Noel existe. Não acreditei, primeiro amei, depois descobri que tinha voltado a ser criança.

Por Adenildo Lima

Momentos VI

A felicidade é coisa pouca, basta apenas um olhar e ela surge.

Por Adenildo Lima

Momentos V

Quando senti o seu corpo, o meu estremeceu, o momento se consagrou ali.
Hoje, é aniversário da Gabi.

Por Adenildo Lima

Momentos IV

Uma flecha aperta e fecha o meu peito cortando-o de lado a lado, suas mãos cura-o ao tocá-lo.

Por Adenildo Lima

Momentos III

Os meus sonhos perderam o sentido quando você se foi, mas ao lembrar que a vida é o que vivemos; vivemos o suficiente para não chorar.

Por Adenildo Lima

Momentos II

Não precisa pedir desculpas, seu olhar já me falou, e isso basta!

Por Adenildo Lima

Momentos I

Eu posso até esquecer de tudo o que você falou, mas nunca vou esquecer o que vivemos. E quando eu lembrar o que vivemos, também lembrarei das palavras mais belas saindo da sua boca com o brilho do seu olhar.

Por Adenildo Lima

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Humano X Irracional

Que o ser humano é o único racional, não temos dúvidas. Nós somos únicos, somos capazes de pensar e, através do pensamento, agir com a razão.
A razão é o que diferencia o humano do irracional. O humano antes de fazer qualquer coisa, pensa, calcula e faz com a razão. O irracional não, apenas age por instinto.
Por isso, nós pensamos para fazer uma guerra, compramos armamentos pesados e vamos guerrear. Lá, matamos nossos irmãos, matamos pais, filhos... E no final um grupo sai vencedor. Ao voltar para casa, o país faz uma festa e os parabeniza, pelo sangue derramado de muitos. Isso somos nós.
A palavra RAZÃO, é possível perceber que ela vai perdendo o significado ao colocá-la diante da palavra emoção. Emoção X Razão: Ser humano confuso. Mas a razão é o que diferencia o ser humano do irracional.
Diante de tudo isso, é possível perceber que queremos uma coisa apenas: poder.
Por Adenildo Lima

domingo, 26 de outubro de 2008

Acreditem!

Acreditem: tenho tanta coisa para falar, escrever... mas no momento só o meu silêncio fala por mim.

por Adenildo Lima

sábado, 25 de outubro de 2008

Madrugada

É madrugada, o tempo fica sombrio, escondido por detrás de um sorriso solitário, talvez. Eu gosto muito das madrugadas, nunca neguei isso. Consigo ficar mais comigo mesmo, pensar mais sobre determinados assuntos. Em casa, todos dormem, mas eu continuo aqui, eu gosto de estar aqui. Fico com o som ligado em volume baixo... uma felicidade me abraça.

É um encontro tão gostoso este que tenho. Nas madrugadas costumo ler, escrever... no momento estou lendo Ovídio - poeta - o livro A arte de amar. É interessante a maneira como ele aborda o amor, ele que nasceu no ano 43 a.C.

Passei vários dias namorando este livro, várias vezes parei na banca de jornal, enquanto ia para o trabalho; olhava, olhava... até que hoje eu comprei. A arte de amar é um livro, pelo o que eu li até agora, onde o leitor vai se auto-descobrindo diante do amor, mesmo escrito há tantos anos é bem atual, em determinadas partes.

O amor, na verdade, é uma arte. Eu mesmo já cheguei a escrever nesta página que "Deixei de acreditar em tudo para acreditar apenas no amor". Amei esta frase pois, se eu acredito no amor, basta! Ultimamente, estou lendo uns livros que tratam da sexualidade, o sexo a cada dia que passa se desvaloriza mais diante das pessoas, até parece que o sexo é um objeto de prazer. Sexo é vida, é compartilhar momentos, vidas...

Precisamos voltar nossos olhares com mais observação, afinal, a união de dois corpos, se transformando em apenas um é algo... as palavras aqui não conseguirão definir.

por Adenildo Lima

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Momento íntimo

- Mari, eu te amo tanto. Às vezes fico procurando uma maneira para expressar este sentimento, é tanto amor, sabe? Eu me sinto tão bem quando estou ao seu lado, você me faz bem, a gente não briga - conversa, compartilha - eu gosto de ouvir a sua voz suave ao meu ouvido. Mari, cada segundo é tão importante, sabia? Foi num segundo que olhei dentro dos seus olhos, foi num segundo que senti seus lábios pela primeira vez, e levei apenas um segundo para dizer tudo que as palavras não conseguem explicar. Mari, eu te amo tanto, sabia? cada segundo da nossa vida é uma eternidade. Por isso não tenho medo de te perder, estou preparado pra tudo, eu sei o que você quer me dizer, mas antes eu quero que saibas que sempre vou te amar, você não é apenas uma namorada, é parte de mim, você se fez parte de mim, e isso está acima de tudo.
- Amor, eu também te amo, essas minhas lágrimas são sentimentos, você sabe. Me desculpa, me beija, preciso partir, você também é parte integrante de mim, e o término deste namoro não pode nos separar. Nunca!!!

Por Adenildo Lima

O muro de Berlim

O muro de Berlim já não existe mais. A história retrata em seus escritos e imagens que no dia 9 de novembro de 1989, ele foi derrubado. Berlim não era mais duas cidades. A Alemanha não estava mais dividida, a República Federativa da Alemanha e a República Democrática Alemã, passaram-se a ser República Federal da Alemanha. O mundo não estava mais dividido.

Hoje, atravessando uma favela, vi várias crianças; várias crianças! Elas estavam brincando. Que felicidade seria poder ver crianças brincando. Mas elas estavam brincando de armas; alguns com armas de brinquedos e outros simbolizavam através de um pedaço de pau. Parecia um treino, um treinamento para uma guerra futura, bem próxima, bem ali na sua frente! O muro de Berlim não existe mais.

A infância é o momento principal para a construção da Identidade do ser humano. Se o Estado no lugar de entregar um Centro Cultural, permite que essas crianças brinquem de armas... Como será o futuro da nossa pátria? Ainda bem que O muro de Berlim não existe mais.

A Lei (Brasil) diz em seus belos artigos e códigos que uma criança de 0 a 6 anos é um bem social, que todos nós somos responsáveis. Se por acaso alguém ver uma criança sendo maltratada, denuncie! O Estado fará alguma coisa. E assim, já podemos começar falando de milhares e milhares de crianças brasileiras sem escola, sem moradia, sem família... Mas fico feliz, pois sei que O muro de Berlim não existe mais.

Talvez você também saiba que o Muro de Berlim não existe mais. Talvez você tenha percebido que este texto inicia falando desse tal muro de Berlim, mas vai fugindo aos poucos, e começa a ser percebidO também uma utopia, uma afirmação "O muro de Berlim não existe mais". E eu pergunto: qual muro mesmo eu estou falando? será que me perdi na construção deste texto?

Por Adenildo Lima

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Um sonho de criança

A noite adormece, as luzes se apagam, as crianças dormem, os senhores e senhoras contam histórias (nas cidades pequenas), as mulheres passeiam nas ruas movimentadas; uma criança sonha na imagem de um poeta, na imagem de um artista do povo, mas a noite adormece e as crianças acordam.

Os cachorros passeiam sem donos, os bares cantam músicas para despertar a solidão de tantos solitários buscando uma tal felicidade. Muitos caem na balada, nas trash e se divertem como podem. Muitos tentam buscar a felicidade na ilusão de um beijo na boca dos desconhecidos; as meninas se divertem, os meninos se apropriam, mas um vazio continua naquela alma ferida e os beijos não serviram como remédio para curar aquela dor.

A menina, com a sual alma sensível, olha o nascer do sol diante da noite que some na ilusão daquele som dançante; diante dos seus olhos sobram apenas fleshes. Uma lágrima tenta cair dos seus olhos, mas aquela criança sonha na imagem de uma mulher feliz, de ter um namorado, um alguém que beije o seu corpo e se cubra com seus cabelos. Mas a noite adormece e as crianças sonham na imagem de um poeta, na imagem de um artista do povo.

O sol nasce e um calor ardente adentra a solidão ao voltar para casa. Chega em casa, deita, dorme cansadamente e sonha; Um sonho de criança. As meninas caminham pela rua dos seus desejos, e essas meninas já tem mais de 20 anos; outras, mais de trinta; outras, menos de 20. O vazio não tem idade... e as crianças continuam sonhando; Um sonho de criança.

Por Adenildo Lima

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Um boa noite

- Boa noite!
- Boa noite.

Não sei, mas eu desconfio que conheço essa garota.


- Por favor, você tem um minuto pra mim?
- Sim, tenho.
- Qual o seu nome?

Não sei, mas eu desconfio que conheço esse rapaz.

- Meu nome? depende do horário.
- Como assim?
- Sou atriz. Faço vários personagens.

Eu desconfiava que c0nhecia essa garota de algum lugar.

- E você, qual o seu nome?
- Não tenho nome, tenho apenas um nº de CPF.
- O quê?

Eu já desconfiava que ele é estranho.

- Tchau!
- Tchau!

Por Adenildo Lima

Internet

A internet é uma das maiores revoluções do homem moderno, disso não tenho dúvida. O mundo todo se conecta através dela, conhecemos as cidades, os lugares turísticos, temos acesso a maior biblioteca do mundo... através de seus recursos. Mas ela é quente e ao mesmo tempo fria.
O mesmo recurso da internet que muitos usam para fazer amizades, conseguir namoros, empregos, reencontrar amigos, parentes; este mesmo recurso pode afastar. Ter uma amizade virtual, é bom, ajuda a enganar um pouco da ilusão, ajuda a suportar um pouco da dor deste mundo existencialista, mas nunca gostei tanto de internet para firmar amizades.
Dizem que sou o tipo rapazinho metido a humano. Não se trata disso, eu sinto falta de olhar os olhos da pessoa, ouvir a voz, ter a sua presença diante de mim, poder abraçar, ter o seu calor; aquele calor humano. Isso a internet não tem, por isso a acho fria neste sentido. Mas sei que ela é muito útil, eu mesmo, trabalho o dia todo, usando-a. Até chego a dizer que para quem sabe usá-la é um dos melhores recursos da modernidade.
Por Adenildo Lima

domingo, 19 de outubro de 2008

A literatura

Tantos livros para serem lidos, tantos poemas para serem escritos: a literatura é uma arte. A literatura é história, a história faz parte da mundo, o mundo é história: a literatura é uma arte. O poder das palavras reina em seu uso, como é usada, como é utilizada: a literatura é uma arte. E toda arte é digna de ser vista, mesmo que não preste, mas não presta pra quem: pra você apenas ou para todos? A poesia, por exemplo, está em toda a arte, qual arte que não tem poesia? será que existe arte sem poesia? se existir, para mim, não é arte: literatura é uma arte. A arte é a alma da humanidade; aliás, a única coisa boa que sobra desta humanidade perversa: a literatura é uma arte - é gostosa a leitura da Clarisse Lispector, do Machado de Assis, do Patativa do Assaré, do Drummond, do Fernando Pessoa: a literatura é arte. E arte é vida. Mas a arte representa a vida ou a vida representa a arte? - a literatura é uma arte. Tantos livros para serem lidos, tantos poemas para serem escritos: a literatura é uma arte ...

Por Adenildo Lima

Nada existe

Nada existe, eu posso provar. A única coisa existente no mundo é a ilusão. Você pode dizer que estou errado, mas cada um fala conforme no que acredita. Nada existe, eu posso provar.

A existência é fleches, são fleches. Fleches de luzes passando diante dos nossos olhos. A sociedade vive se preparando para um futuro, mas o futuro não existe; muitos vivem presos a um passado, mas o passado também não existe, existe apenas essa ilusão.

Não diga que estou filosofando, não sou filósofo, sou apenas um animal pensante, e isso me diferencia do irracional. Uma flor é bela, mas o conceito de beleza também é relativo. A flor, por exemplo, não existe. Existe a ilusão de ter um dia uma vida cor de rosas. Mas se nada não existe, como pode existir também a ilusão?

Parece uma contradição, deste pobre menino escrevendo um texto falando da existência. A existência é fleches, são fleches. As luzes diante dos nossos olhos, as meninas caminhando pela calçada, com seu vestido, os animais catando lixo no lixeiro para se alimentar, o homem deitado no lixo como se fosse parte dele.

Na verdade, nenhum ser humano é tão digno de ser chamado de humano como aquele ser que se encontra no meio do lixo. Lixo na verdade somos nós que permitimos que ele esteja ali. Permitir no sentido de não lutar por um mundo melhor. Todos somos individualistas.

Somos individualistas, pensamos muito em nós, até a própria comunhão de um grupo religioso não existe, e na verdade devia existir. Ainda bem que descobri que Deus também não existe, existe apenas a ilusão de existir um DEUS, um ser superior para suprir essa existência tão vazia, tão inexistente.

O amigo leitor, a partir deste texto me chamará de louco, de depressivo, e eu direi: nunca dantes me senti tão bem. Por isso te convido a pensar sobre a existencialista, mas antes quero relembrar que a única coisa real que existe é a ilusão.

Por Adenildo Lima

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Eu e minhas crenças

Eu deixei de acreditar em tudo, para acreditar apenas no amor.

Por Adenildo Lima

A fome e um olhar

Andando pelas ruas da grande São Paulo, olho e observo os detalhes, que muitas vezes, muitos não conseguem enxergar. Enxergar é diferente de ver.

Uma mãe amamenta sua criança com o leite que sai dos seus peitos, muitas vezes, ela fica sem jeito para expor seu seios diante das pessoas, mas a criança tem fome e precisa se alimentar; a mãe a alimenta.

Um senhor sentado na calçada do teatro municipal é um artista excluído dos palcos, mas ele se vira, rebola, chora, implora, pira; tem vergonha de pedir, mas ele tem fome e precisa se alimentar; ele pede as migalhas que sobram da nossa mesa.

Uma negra limpa o escritório, e limpa, e varre, e tira a poeira, e organiza as coisas do senhor engravatado. Muitas vezes ela se cansa, o cansaço pede que ela sente um pouco, mas a poeira vem, e ela se levanta mais uma vez para limpar a mesa daquele homem. Ela sabe que são mais de cinco séculos fazendo isso, ela se cansa; mas ela tem fome e faz.

Um policial aborda um jovem garoto vindo do trabalho, o chama de vagabundo e ainda aponta uma arma para a sua cabeça; o garoto sabe que aquilo não é certo, mas ele ama a vida e continua seu trabalho, pois sua barriga tem fome.

E eu, diante de tudo isso. E você, diante de tudo isso. Somos um pouco de tudo isso?

Por Adenildo Lima

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Ao mestre com carinho

Tem um filme com o título "Ao mestre com carinho". É um dos filmes mais lindo que já assisti. Mostra na tela um amor de um professor para trabalhar com seus alunos. É lindo, lindo! Quando assisti ainda nao exercia esta função, mas me emocionei, pois sabia que seria um dia - o o jovem garoto dividindo conhecimentos com seus alunos.

Ser professor, é a profissão de maior responsabilidade dentro de um país; pena que o nosso valoriza tão pouco. É a responsabilidade de mostrar alguns passos na formação de uma criança, é um intermediador entre o meio, o sistema; é a responsabilidade maior de levar algo que possa ajudar a construir uma sociedade, uma sociedade; um país onde as pessoas conheçam no mínimo a própria identidade: a cultura de cada um, seus valores culturais.

"Ser professor é ser pai e ajudar os adolescentes a ser alguém na vida, neste mundo tão conturbado". - José de Lima - meu pai.

Quem na vida nunca teve um professor?

Parabens, professores!!!
Por Adenildo Lima

domingo, 12 de outubro de 2008

Começa a semana

A semana começa no domingo ou na segunda? às vezes fico me perguntando, mas no domingo é dia passear, como fiz hoje: centro cultural, uma cerveja, um bar e amigos; uma viagem pelo céu do planetário. Legal, agora preciso deitar, amanhã começa tudo de novo - rs - boa semana pra nós!!!!

Por Adenildo Lima

Nós dois: a eu e você!

Cada palavra, cada olhar vindo de você vale mais do que tudo o que possa imaginar. É real, poder estar contigo é um mistério, você é linda, carinhosa, sensível, amável. Somos tão felizes, lembra quando eu disse que te amava? Você até duvidou, mas agora descobriu que nos amamos juntos, né?

E quando nos finais de semana vamos ao cinema, ao teatro, a um parque de diversão, contamos nossas histórias... nosso presente é tão lindo, ainda bem que não existe passado nem futuro em nossas vidas, né?

Ah, tinha esquecido: seus cabelos são tão lindos, seu olhar é tão romôntico: te amo tá!


Por Adenildo Lima

Ela questiona

- Vinícius, qual a diferença do amor para a paixão?
- Não sei responder com palavras. Só vivendo.
- Mas você acredita no amor?
- Sim, até faço.
- E a paixão?
- Não faço, mas sei quando ela está comigo, o sono desaparece nas madrugadas e volto a ser uma criança pensante.
- Legal, acho que vou me apaixonar, e depois fazer amor.
- Se precisar de minha ajuda, estou aqui, Manuela.

Por Adenildo Lima

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Ao meu pai

Existem datas em nossas vidas em que consideramos como importantíssimas. O número dez, por exemplo, eu sempre tive um certo apego; acredito que seja devido a data do meu aniversário (10/12). Hoje é dia 10 de outubro, faz exatamente um ano que este número me trai uma lembrança doída (deixo claro - não acredito em numerologia - acredito apenas no amor). Faz um ano que o meu ilustre pai partiu.

Foi no dia 10 de outubro, às 10:10 minutos da manhã que ele ganhou asas e se foi; segundo relatou os médicos, médicos - os quais - fizeram uma cirurgia mal feita que o levou a este caminho. Confesso que não aprendi a conviver com esta falta. Em casa, falamos muito pouco, referente a este assunto, acredito que seja uma maneira de não acreditar nesta concretização. Sabemos que ele se foi, que ganhou asas e voou. Sabemos também que se foi apenas o seu corpo, pois o ser humano é aquilo o que faz, e ele continua vivo por tudo o que fez.

É um assunto muito forte para eu comentar, até mesmo num blog, como este. Hoje, assistindo Luiz Gonzaga; impossível não vê-lo presente. Há um mês, aproximadamente que os fleches do acontecido passam diante desta visão de filho. Nesta madrugada mesmo, sonhei muito com ele. Me senti presente. Ele, que via, muitas vezes em mim, a imagem de pai. Ele, que sonhava ver em seu filho um Advogado, um Médico (talvez)... mas se deparou diante de um garoto vindo da escola e falando: pai, sou professor. E ele disse: Ser professor é ser pai e ajudar os adolescentes neste mundo tão conturbado, a ser alguém na vida.

Não precisava falar mais nada, ele disse tudo... tudo! estava feliz - lembro claramente. E se eu for um por cento para os alunos do que ele foi (e é) para os filhos, serei ou já sou um grande professor. Este assunto é um tema que nós carnais não estamos acostumados. Foi como se tudo tivesse ido junto: família, amigos, estudos; vida. Mas eu não podia, tinha um TCC pra começar e terminar em pleno final de ano. Ergui a cabeça e fiz em menos de 15 dias. E tirei um 9. Tinha uma família, e eu precisava mostrar que estava ali.

Essa semana, uma amiga me escreveu e perguntou o motivo de eu não comentar neste assunto (com ela). Esta pergunta mexeu comigo, confesso. Ao deitar, fiquei umas duas horas sem dormir. Depois escrevi, e a agradeci. Acredito que aquela pergunta me deu coragem para escrever isto agora. Foi uma pergunta importante. Ali, ela se mostrava de ouvidos abertos para me escutar; acredito eu.

Naquele mesmo mês (outubro do ano passado), subi no palco do auditório da Unirsidade em que eu estudava, onde acontecia um sarau, e falei sobre a importância de ter uma família, a importância de falar sempre para as pessoas que estão ao seu lado: que as ama. O auditório todo, se emocionou. Quase não consegui fazer aquilo, fazia pouquíssimos dias; mas fiz. Eu sabia que preciso dar continuidade a tudo o que ele me ensinou:

Ele foi o meu primeiro professor, o meu herói, meu deus e senhor (e é). Me ensinou a descobrir o amor muito cedo, e a aprender a viver e conviver com o amor. Chorar? sim, choro. Mas quem teve ou tem um pai igual ao meu, não deve chorar de tristeza. Não estou falando, pelo motivo de ele ter partido, quem me conhece, sabe disso. No momento, não falo da minha mãe, pois não preciso falar para o mundo o que eu posso falar pra ela.

Faz um ano, é impossível todo o acontecido não ser revivido pelas lembranças, é impossível a minha face não ser lavada por uma lágria que cai, é impossível não olhar para as paredes e não ficar procurando um rosto; seria impossível eu não fazer isso. Não estou triste, sou apenas poeta, e filho (principalmente!). A leitura deste artigo não é para causar pena, estou muito bem, mas as palavras servem para eu desabafar.

Segue abaixo um poema que fiz poucos dias depois. Obrigado!

Flores das lágrimas

Diante das flores

As minhas lágrimas

Caíram como pétalas

De rosas.

Vendo o meu rei

Com aquela coroa

Entrei em prantos,

Ele não precisava de coroa

Para ser rei,

Ainda era muito jovem

Para receber aquelas flores.

Não tive coragem de olhar

Mais a sua face.

As flores murcham,

As rosas também.

O homem é matéria,

Mas um rei será sempre

Um rei.

Tempestade de água caindo,

Tempestade de flores feitas amores

Caindo pela pele da flor.

Pela flor da pele.

Um grito solto

No silêncio de cada olhar

Um grito aprisionado

Por não poder fazer mais nada.

Uma dor corroendo o peito

Os espinhos calcando os pés

Um abraço apaixonado da mulher-amiga

Um beijo respeitoso de tantas e de tantos...

A semente transformada em vários frutos

E um fruto transformado em semente

Se misturando a terra

O círculo diante dos olhos

Tentando entender o que ninguém

Nunca conseguirá explicar

Talvez a madrugada esteja

Fria demais para dormir

Com esta lembrança.

O olhar perdido pelas paredes

Da casa procura entender

Porque a terra é tão

Egocêntrica e individual

Um olhar perdido pela

Imensidão do tempo

Procura entender,

Ainda mais, o que é o amor.

Mas não me perguntem

Se amo,

Se eu for responder

Talvez eu perca tempo

Para amar.


Por Adenildo Lima


terça-feira, 7 de outubro de 2008

O mundo e as palavras

A palavra interpretar, encontramos em todos os lugares, perdida por aí...rs....

Interpretação de texto, é algo muito sério, vivo isso todos os dias. É preciso enxergar cada palavra que forma o contexto, ao contrário, muitas vezes, fazemos interpretações precipitadas... e fica uma bananada só: No lugar de interpretar: acredite mais em você, leia os outros, mas não se prendam se sentindo incapazes de escrever alguma coisa, você também pode. Interpretam tudo ao contrário... rs.... Legal... afinal, uma interpretação será conforme a leitura de cada um.

É isso aí....


Por Adenildo Lima

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

O falar bonito

Quantas e tantas histórias estão soltas por aí para serem escritas!? Em cada esquina, em cada olhar, em cada mesa vazia, em cada desespero da mãe sem poder amamentar seu filho, em cada olhar de um pai sem ter emprego para suprir os gritos da família em sua casa procurando o pão.

As pessoas se preocupam demais para construir um texto. Ficam procurando palavras... palavras... e acabam matando a essência, a coerência (humana). Eu, não tenho apegos a dicionários; sei que é importante, quando sabemos usá-lo, mas para falar uma linguagem que todos possam ter acesso, deixo-o de lado, na maior parte das vezes.

Eu também não gosto de ficar consultando gramáticas. Um livro de gramática é muito útil, assim, como um dicionário. O falar bonito para mim, não é aquele com um linguajar formal, culto, padrão... essa linguagem eu costumo deixar para o Pasquale, aquele boneco construído pela MÍDIA que é mesmo uma MÉDIA. Deixo tambem para os estudiosos, eles adoram repetir o que os outros falam.

Eu, por sinal, gosto de falar bobagens... gosto de falar palavras... palavras... aos poucos vejo-as se transformando em frases, em textos; em essência humana, aí, fico feliz. Muitas vezes até vejo as minhas palavras se transformando em lágrimas, às vezes de tristeza, outras vezes, de alegria.

Existem milhões de textos querendo serem escritos, não tenha medo, não se acanhe, não fique admirando apenas os autores que já morreram, você está vivo, pode escrever o hoje, o agora, faça isso. É isso que eu estou fazendo. E você, vai ficar com medo, exaltando aos outros?

por Adenildo Lima


quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Minha caricatura


Hoje a artista Açunciara Aizawa fez minha caricatura, enquanto brincávamos lá na empresa. Ela jura que parece comigo, não sei (rs), sinceramente, não sei.


Por Adenildo Lima

Agradecimentos

Hoje, primeiro de outubro, 23:30min. agradeço a todos os leitores deste blog. Vocês são os verdadeiros enigmas de um mistério (rs).

Que tenhamos um ótimo mês de outubro!!!

Brigadooooooooo

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Pessoas e coisas VII

Nunca deixe de subir as escadas. Elas sempre nos levam ao degrau. Cuidado! ela também derruba.

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas VI

Nunca desça pela escada, enquanto ela estiver subindo. É perigoso!

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas V

A coisa é a pessoa ou a pessoa é a coisa?

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas V

Sonhar é o melhor negócio para nao viver tão triste.

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas IV

Quem nunca lutou, na verdade nunca viveu.

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas III

A luta é sempre um grande caminho para se morrer mais jovem.

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas II

Ela disse que me amava, eu acreditei. Aí, beijei seus lábios, foi tão gostoso, ainda lembro, era apenas um adolescente.

Por Adenildo Lima

Pessoas e coisas I

Uma felicidade me consome, me invade. A felicidade é coisa tão pouca, nem sei o motivo de existir pessoas infelizes.

Por Adenildo Lima

Uma cama e um sonho

O relógio marca meia noite, e já cai a noite. Escuto Lenine "É o que me interessa". Você, possivelmente, esteja dormindo, deitada em sua cama, mas eu estou aqui, acabo de chegar da escola, depois de 5 aulas. ÀS 5:30 vou me levantar. Talvez eu sonhe contigo, acho que não. Você dorme, mas eu te acordo. Você permite? Acho que você tem medo de se apaixonar por mim, fugiu de repente. Não foge, eu nunca fui apaixonado por você, apenas te admirava, queria estar ao seu lado. Te acho muito bonita, meiga; seus cabelos são tão lindos! às vezes eu acho que até estou apaixonado por você, mas ao mesmo tempo, acho que não terei coragem de falar. Na verdade, acho que você nunca existiu, o bom de escrever é que podemos criar e inventar personagens. Você leu meu e-mail? Nossa! mas também não lembro se escrevi, desculpa!

Por Adenildo Lima

domingo, 28 de setembro de 2008

Um olhar e uma bolsa

- Senhor, o que olhas, com este olhar perdido?
- Olho o infinito, filho.
- Mas o que carregas nesta tua bolsa, posta nas costas?
- Carrego palavras, filho, palavras.
- Mas palavra, serve pra quê?
- Não sei filho, esta bolsa pesa, têm diplomas, tem uma história e tem as palavras que eu quero fazê-las adormecer.
- Adormecer palavras, senhor?
- Sim filho, já existem palavras demais.
- Mas elas querem falar, senhor, tantas pessoas gostam de as ouvir, por que tentar abortá-las?
- É um direito meu, filho.
- Mas o seu direito não pode permitir o reflexo escondido por detrás deste olhar perdido.
- Pode filho, pode.
- Não pode, senhor. Calar é o mesmo que admirar o pensamento de um ser humano (humanamente falando) e ser igual a FHC.
- Calma, filho, não exagere.
- Tudo bem, senhor, mas para que vai ser estas palavras amarradas nesta tua bolsa jogada nas costas?
- Não sei, filho, mas sei que você às vezes me pergunta coisas que não consigo responder de imediato, afinal você tem a mesma idade que eu.

Por: Adenildo Lima

sábado, 27 de setembro de 2008

Sorriso de criança

Se o mundo está perdido, olhe o sorriso da criança que passa. Olhe os lábios da mulher que ama. Brinque com as dores da civilização. Abrace o seu corpo e durma. Quem não tem amor, cria o seu e adormece.

Por Adenildo Lima

Calma!

- Mãe, quero mamá.
o patrão respondeu:
- Mama-áfrica não tem leite pra filho mamá. Mama-áfrica tem apenas o direito de o patrão escutar.

Por Adenildo Lima

O homi dixe

- Bom dia - bom dia - o homi dixe.
- boa tarde - boa tarde - o homi dixe.
- boa noite - boa noite - o homi dixe.
Ninguém respondeu, mais uma vez o homi dixe:

- Nossa, na cidadi grandi todu mundo é sudu e istrangero.

Por Adenildo Lima

Vinícius vai ao paraíso V

Agora o corpo dela, despido e satisfeito, faz com que, Vinícius deite-se no paraíso.

Por Adenildo Lima

Vinícius vai ao paraíso IV

E quando os dois, chegaram ao paraíso, conheceram os prazeres, os amores e as dores.
Agora, os dois se perdem um pouco no paraíso.

Por Adenildo Lima

Vinícius vai ao paraíso III

E quando ela, deixa-o tocar seus seios, suas pernas, seus lábios; suas partes mais íntimas. Os dois foram ao paraíso.

Por Adenildo Lima

Vinícius vai ao paraíso II

E quando ela, deixou a saia cair, exibindo-lhe sua parte mais íntima, diante dos olhos dele. Vinícius foi ao paraíso.

Por Adenildo Lima

Vinícius vai ao paraíso I

E quando ela, dentro daquele quarto, foi tirando a roupa, exibindo-lhe os lábios carnudos, os seios pontudos, a barriga atraente. Vinícius foi ao paraíso.

Por Adenildo Lima

Os viajantes

Mariana saiu para passear, numa bela tarde de verão. No caminho, encontrou um amigo de velhos tempos. Abraçaram-se, riram, brincaram... e continuaram caminhando. Os dois, parece que não tinham um ponto fixo para chegar, queriam apenas viajar. Entraram na estação de metrô, atravessaram a catraca (ao lado, um casal brigava) desceram a escada, entraram no metrô (ao lado ,um casal se beijava), e foram.

Desceram na próxima estação, subiram a escada (ao lado, uma moça chorava), atravessaram a catraca (ao lado, uma mãe amamentava). Saíram, seguiram rua afora, sem destino e sem hora (ao lado, um carro atropelava). Os dois seguiam tranquilamente, queriam apenas viajar. Passaram por debaixo de um viaduto (ao lado, uma arma apontava). Mas os dois caminhavam.

Chegaram num teatro (ao lado, uma atriz ria e ria), entraram no auditório (ao lado, um casal criticava). Assistiram a peça, feliz com sorrisos na mente; felizmente. Saíram do teatro (ao lado, uns seguranças abordavam um rapaz simpático), continuaram sua caminhada.

Chegaram mais uma vez na estação: o metrô era de ferro, os homens eram de ferro, a catraca era de ferro; tudo era de ferro, mas os dois enxergavam carne naquele lugar.

Ao lado, sempre tem alguém. Cuidado!

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão X

Felicidade é não ter relógio, celular, carro, patrão; controladores.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão IX

A família é a base de tudo, sem ela, somos meros seres vivos caminhando por aí.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão VIII

Amar é respeitar, isso basta para definir o amor.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão VII

Acreditar no amor eterno é viver esperando uma eternidade e esquecer de viver o presente.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão VI

Quando me calo diante das situações, sei que o meu silêncio fala bem mais.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão V

Dependendo do momento, um bom livro, é bem mais prazeroso do que uma transa qualquer.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão IV

Diante de tantas pessoas mascaradas, sem máscaras, acredito ser uma das mais felizes.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão III

O casamento é uma maneira de preencher um vazio que nunca será preenchido.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão II

A morte, para quem morre, é um alívio, doída apenas para quem fica.

Por Adenildo Lima

Delírios e ilusão I

A ilusão é a única realidade existente; ao contrário, tudo é ilusão.

Por Adenildo Lima

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Um homem e um monstro

Dentro de mim, tem um monstro. E carrega a astúcia de um guerreiro, mas odeia guerra. Dentro de mim, existe uma criança (que ainda sonha) mesmo entre tantos rumores. Dentro de mim, existe um homem alegre, feliz, contente, sorridente... mas chora diante das dores de outras pessoas; já que somos imagens e semelhança, este homem que vive dentro de mim, também se sente ferido. Dentro de mim, também existe uma mulher, só a elas é dado o dom de dar a luz. E eu procuro que através dos meus olhos sempre nasça aquela criança. Dentro de mim, ainda existe, os desejos do homem apaixonado pela mulher que vai lentamente andando pela calçada. Dentro de mim, tem um rapaz observador, crítico, falador... dentro de mim, existe um mundo, mas este mundo é partículas que me faz ser o que as pessoas amam ou odeiam.

Dentro de mim, existe também um sonho que o monstro não pode destruir, jamais!

Por Adenildo Lima

Contraste

Têm adultos que parecem crianças, e têm crianças que parecem adultos. Mas como parecer não é ser, muitas atitudes adultas são vergonhosas, fecham a cara... com nada! confundem coisas banais com coisas sérias e, ainda se acham, os deuses do acontecimento.

As crianças são diferentes, elas amam. Muitos adultos, ao contrário, só fingem. Por isso que "não sou alegre, nem sou triste: sou poeta". Como diz Cecília Meireles.

Por Adenildo Lima

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Sorriso I

Abraça-me, quero sentir os teus lábios sorridentes encostando nos meus.

Por Adenildo Lima

O encontro e os enigmas

Entre dois olhares perdidos, sempre podemos descobrir alguma coisa.

Por Adenildo Lima

O encontro

- Boa noite, jovem.
- Boa noite.
- O que faz sentado na calçada esta hora?
- Vendo o tempo passar.
- Mas quem disse que o tempo passa?
- Passa sim, jovem garota.
- Mas estes olhos esverdeados, parecem que estão olhando além do tempo.
- Olhos esverdeados? Meus olhos não tem cor, menina.
- Não, né? (...) Por quê tantos livros? vai ficar louco lendo demais.
- Preciso viver cada momento da vida, já que o tempo para mim, não existe mais.
- Não existe mais, como assim? Você não tem idade?
- Dizem que tenho, mas contar os dias é deixar de viver, e ficar esperando a morte.
- Nossa, você é estranho.
- Ainda bem, se eu não fosse, seria igual a todo mundo, né?
- Mas qual a sua idade?
- Idade... idade... dizem que eu tenho 20 e tantos. Em breve, farei 3 décadas; em breve, farei 4 décadas; em breve, os anos passarão depressa se eu for pensar neles.
- Legal, vou pensar em suas palavras. Gostei de falar com você.
- Obrigado.
O sorriso de uma criança é sempre um grande mistério, mas desvendá-lo é também ser criança, e ser criança é ter a essência da alma que a humanidade precisa.

Por Adenildo Lima

domingo, 21 de setembro de 2008

Doutores e doutoras

Eu sempre comento que não gosto de intelectuais, eles são perigosos, tenho medo quando alguém me diz: sou intelectual!

Eu, em minha simples ignorância humana, acredito que um intelectual sabe tudo, mas saber tudo é muito perigoso. Por isso me retraio e não me atraio a este mundo. Ser intelectual é perigoso, cuidado! Você pode ser chamado para compôr um júri; já que sabe tudo...

E os doutores e doutoras? cruz credo! tenho medo, na terra que eu nasci se alguém falar que é doutor será obrigado a medicar sua família. Já, no dia-a-dia com meus amigos, doutor é sentar à mesa e pedir uma cerveja: mais uma, doutor?

Mas para finalizar, tenho medo de intelectuais, eles colocam um Diploma na frente dos olhos, podem até caírem dentro dum buraco, e como eles não vão assumir a queda, eu posso ser punido por isso, já que o povo brasileiro respeita muito os doutores.

Por Adenildo Lima

A semana começa

A semana começa, a semana termina. Sábado é primeiro e último dia: primeiro dia para a diversão, último da semana. Domingo, normalmente é um dia frio, sei lá, sem graça até. Muitos vão ao cinema, outros ficam assistindo Gugu, Faustão (Credo! ki domingo!); já outros descançam esperando a segunda.

A segunda é mal, e ela tem um poder enorme, transforma homens em máquinas e as máquinas ocupam o lugar do homem; é uma guerra. Eu já cheguei a escrever referente a este assunto, aqui neste blog, mas volto, mais uma vez.

Vejo as pessoas correndo desesperadamente. Tem sempre um relógio para marcar o ponto, se não for o seu, outro marca. Faz medo também o relógio cair da parede; as pessoas trabalham loucamene controlada pelo tempo - meros escravos modernos da SISB: sistema brasileiro.

Não sei se você já percebeu, mas têm pessoas que entram correndo dentro do ônibus, dentro do trem, como se fosse adiantar alguma coisa - na verdade é um corpo humano controlado pelo SISB, e nem percebem que fazem isso; eu mesmo já fiz, depois que eu parei pra pensar: correr dentro do ônibus, do trem? loucura!

A tecnologia é boa, o avanço da modernidade também, dificil é sermos escravos dela.

Por Adenildo Lima

Química e física

Estudar é bom, amo estudar, mas nunca gostei de química e física, são duas matérias que não entram na minha cabeça. Mas química e física são duas matérias importantes na minha vida amorosa.

Quando uma mulher olha dentro dos meus olhos e vem cegamente uma química misturada com uma meta-física, sinto meu corpo tremer, um desejo aperta-me, e o coração explode.

Uma Amiga, sempre me fala, que sem química nada rola, é preciso uma força maior para acontecer a união dos dois corpos, das duas bocas, enfim, da entrega.

A entrega é algo muito sério, eu valorizo muito, não é com qualquer pessoa que devemos tirar a roupa e se entregar. Ficar nu diante de outra pessoa é a intimidade maior e, transformar dois corpos em um, é preciso um sentimento, além até mesmo, de uma química, de uma meta-física.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento XI

Palavras... são apenas palavras...
Mas você pode transformá-las
Em lírios... semente... planta
... No campo...

Por Adenildo Lima

Tempo e vento X

Posso não dizer tudo o que eu sinto, mas procuro viver mais do que eu falo.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento IX

O olhar do lobo-guará carrega mais mistérios do que mil páginas escritas.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento VIII

Não pergunte se eu amo, talvez se eu for responder perca muito tempo para amar.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento VII

Um poema pode até não significar nada pra você, mas o mesmo poema pode ser o melhor de todos para mim.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento VI

Atravessar o mar vermelho a nado pode ser mais fácil do que explicar os enigmas da vida.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento V

Um caminho sempre terá duas saídas, a escolha é sua.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento IV

Quando não escrevo demais, é pelo simples fato do sentimento ser mais forte.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento III

Uma tempestade pode durar um segundo, mas o que ela causa pode ser eterna em sua vida.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento II

As palavras são como flores, também têm espinhos.

Por Adenildo Lima

Tempo e vento I

Não existe tempo, existe apenas o conceito de um determinado momento diante das coisas vividas.

Por Adenildo Lima

Textos e piadas V

- Quanto vale um real?
- Ah, depende da necessidade de cada um.
- De cada um real ou de cada pessoa?
- Se real é real no bolso do pobre, você deve saber.

Por Adenildo Lima

Textos e piadas IV

Alguém falou que Vinícius é triste e infeliz por não tá namorando.

- Ser feliz é ter uma namorada...? - felicidade é coisa pouca mesmo. Acho que vou arrumar uma. Uma namorada ou uma felicdiade? Putz, minha amiga deve tá infeliz, deixou o esposo por não aguentar tanta infelicidade.

Por Adenildo Lima

Textos e piadas III

O rapaz falou que amava.

- Ama quem: a menina ou a beleza dela?

Por Adenildo Lima

Textos e piadas II

Uma amiga me falou que acredita no amor.

- Mas qual amor: aquele do rapaz pobre trabalhador, ou aquele do rapaz do carrão?

Mas se alguém tiver mais alguma piada sobre o amor pode contar.


Por Adenildo Lima

Textos e piadas I

Um amigo me falou que a escravidão no Brasil acabou há tempos.

- Amigo, você não tem outra piada pra me contar?

Acho que o meu amigo até teria, mas preferiu deixar pra você responder.

Por Adenildo Lima

sábado, 20 de setembro de 2008

A prostituta X Capitalista

Karl Marx fala que o capitalista é igual a uma prostituta. Eu acrescento: uma prostituta sem alma. Não estou aqui para fazer a defesa da mulher que tem como profissão o uso do seu corpo, e muito menos, para dizer que o capitalista é um ser humano querendo apenas ser feliz. Na verdade não estou para falar nada, estou apenas para mostrar o meu ponto de vista diante da visão capitalista.

Primeiro, quero dizer que, moramos numa sociedade inteiramente individualista, e o individualismo é o reflexo vivo da luta por um determinado dinheiro. Dinheiro, o qual, mata pai, mãe; família. Quando alguém perde a única coisa importante que o humano deve preservar: a essência humana. Altomaticamente passa a ser uma máquina, uma máquina controlada pelo sistema, uma máquina sem voz, sem ideais; uma máquina apenas.

A prostituta embeleza o seu corpo, gasta fortuna para deixá-lo mais bonito, afinal, ele é a sua empresa, onde ela ganha seu dinheiro para sobreviver, viver talvez. Mas, muitas delas, quando deitam em suas camas, choram; ao contrário do capitalista que não dorme pensando em ganhar mais dinheiro.

O dinheiro podia ser algo muito bom. Hoje, conversando com uma professora aposentada, ela me falava: se o dinheiro fosse social seria uma maravilha, mas ele é selvagem, nas mãos de selvagens que se dizem humanos - Ela falou mais ou menos isso, na essência do tema foi isso. E eu concordei com ela.

Não critico o homem que trabalha, que busca até mesmo, comprar uma roupa melhor, uma casa... o que eu não concordo é com este modismo, com esta desvalorização, até mesmo do próprio corpo, do caráter, nem se fala. Uma roupa não deve nunca ser o cartão postal de alguém, quando passa a ser, temos meros produtos de vitrines caminhando pelas ruas de uma cidade. E você, é o quê: um ser humano ou um produto caminhando à venda por aí? À venda de que mesmo?

Por Adenildo Lima

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

As palavras têm sabor, experimente-as!

Há um dito popular em nosso país que o povo brasileiro não lê, que não gosta da leitura. Será que isso é verdade?

Eu, na minha inocência, há alguns anos, compartilhava deste pensamento; hoje, não mais. Todo ser humano come alguma coisa para poder se alimentar, todo cidadão nasce com a sede do conhecimento. Uma comida pode ser muito gostosa para milhões de pessoas, mas se eu nunca comi, não posso dizer que gosto, se ninguém nunca me ofereceu, nunca comentou referente, como vou ficar sabendo de sua importância?

Lembro, neste exato momento, que um determinado tempo, uma garota que a qual tínhamos um envolviemento amoroso, me ofereceu peixe cru; comida japonesa. Ao comer, quase que eu vomitava; ela riu. Com o tempo fui me acostumando e, mesmo não gostando, não me é mais estranha.

Em nosso país é necessário um encentivo maior para a leitura, as pessoas precisam sentir o sabor delas, conforme o seu gosto, conforme o seu paladar. E digo, sem medo, todo mundo gosta da leitura, o que precisa é mostrar a cada um a importância que ela tem na vida de cada um.

E é ridículo a imposição, impor a leitura? cruz credo! No período destes dois anos, já tive, aproximadamente, 1000 alunos, e posso falar sem medo: todos gostam da leitura, apreciam quando leio...

Nós, professores, principalmente, precisamos mostrar a todos o sabor que ela tem. No lugar de exigir a leitura do Machado de Assis, primeiro vamos apresentar a importância de sua leitura e do homem que ele foi; no lugar de pedir a um aluno que diga o que o poeta quis dizer, peçamos a eles que façam a sua interpretação.

Precisamos ver a leitura com outros olhos: o olhar do amor.

Por Adenildo Lima

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

A dor da perda

Falar da perda, não é fácil. Amigo leitor, desculpa por este texto, talvez você queira um texto alegre. Este não é.

Hoje, quando cheguei em casa, tive vontade de chorar, olhei por todos os lugares, e um vazio enorme permanece há quase um ano. As paredes perderam o rosto, eu também perdi um pouco do meu olhar. Algumas vezes, percebo que sou uma pessoa fingida, taciturna. Com a ida do meu ilustre pai, no dia 10 de outubro do ano passado, se foram também muitos amigos, parece que a vida, por um momento (eterno talvez) perde o sentido.

Falo que se foram muitos amigos, pelo motivo de sabermos que as palavras deles também não servem mais, mas ajuda bastante. Mas os meus amigos continuam todos, e mais alguns que já conquistei sua amizade.

É difícil encarar esta dor. Nunca consegui concluir esta cena, como real. Parece que nada aconteceu, parece que a porta um dia vai se abrir, e terei aquele beijo, aquele abraço, aquele eu te amo. Sei que sou forte, muito forte, mas não tão forte assim: e quando choro, mostro que sou forte - para mim, o ser humano forte mostra seus sentimentos.

Eu sei que o amigo leitor, não tem nada a ver com isso, mas quero que saiba que a escrita pra mim, serve pra isso. Desculpa, mas continuo escrevendo: Nunca deixe de dizer para as pessoas que as ama, aquelas pessoas que estão ao seu lado, que faz parte de sua vida, um eu te amo. Acredito que sem sombra de dúvida, não sofro mais, pois sempre falei. E isso me conforta.

A vida é algo breve, não entendo o motivo e a razão de tanta ilusão, ganância, se poderíamos vivermos tão bem em união.

Não sei, mas neste momento uma porta se abre, e eu corro ao encontro do vento que me abraça, e o infinito é tão lindo!

Por Adenildo Lima

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Um amor além da face

Não te conheço, confesso. Nunca vi o seu rosto, leio apenas suas palavras, suas frases, seus sentimentos; uma visão diferente de enxergar o mundo, mas me sinto apaixonado por você. Sinto um amor além do beijo, além do olhar... é amor, eu sei que é amor, você pode até não acreditar, mas é amor.

Imagino-me, pegando em suas mãos, falando palavras que só o momento vai ser capaz de traduzi-las: o momento, o silêncio... acredita? eu não sei se você é casada, noiva... a única coisa que sei é que eu te amo. É um amor de adolescente? é claro que é, alguém já viu um amor adulto? o amor é criança, não tem maldade, é sincero, se existir algum amor adulto, eu não quero.

Você, ao ler esta declaração de amor, deve pensar que estou louco. Sim, eu estou, mas a minha loucura é breve e simples: é apenas por amor - é um breve eterno, é uma simplicidade rica, é uma loucura lúcida. Todas as declarações de amor são malucas.

Por Adenildo Lima