sexta-feira, 30 de setembro de 2011

A linha do tempo

Maira gosta de andar de bicicleta. Já Lucas gosta de caminhar a pé. Os dois se cruzam no parque, cada um em sua velocidade. Ele brinca com ela e, às vezes, param para conversar. Há dois meses que se conhecem, ou, se posso dizer: que Lucas deu um boa tarde para Maira.

Maira deve ter uns 20 anos e Lucas uns 30. Ela está na faculdade fazendo Direito. Lucas é professor na área de psiquiatria. Ele é solteiro, ela também. Os dois acreditam que se gostam, mas nunca falaram referente a este assunto. Se olham com um sorriso no olhar demonstrando sentimentos ocultos.

Mas o que vai acontecer, só o tempo dirá, como dizem...

adenildo lima



quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Rush - Tom Sawyer

Ser humano

Somos humanos. Ou tentamos ser. Não se assuste, amigo leitor, com essas frases. É verdade, andamos a cada dia mais cansados e estressados. Mas não é que sejamos estressados. É preciso entender isso. A agitação está muito forte, a falta de crença nos olhares das pessoas, ainda mais. As nossas crianças e adolescentes não têm referências, ou quase não têm. Os pais nas grandes cidades, nas pequenas também, acordam às 5h. da manhã e volta às 7h. da noite, inteiramente cansados, e a frieza do dia é tão drástica que eles chegam em casa e não têm o hábito de perguntar aos filhos se tudo anda bem. Um beijo, um abraço... contariam tanto para uma humanização familiar.

Amigos temos poucos, ou quase não temos. E precisamos ter a mínima sensibilidade de entendê-los em alguns momentos difíceis que nem eles mesmos, muitas vezes, sabem que estão passando. Andamos cansados. Andamos sem saber pra onde, muitas vezes o próprio caminho é espinhoso.

adenildo lima

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Metallica

A luz do sol

A claridade do sol clareia os olhares perdidos das pessoas desencontradas com elas mesmas. A luz, às vezes, é muito forte e queima as pestanas no momento em que elas acordam, em pleno amanhecer, num lugar qualquer, muitas vezes em cima de um papelão postando a bandeira do próprio país. A luz é forte e clareia as lágrimas das crianças famintas; por amor.

O sol brilha para todos e muitos continuam esperando sua luz.

adenildo lima

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

marisa monte - mais uma vez

Mais uma vez, Clarina

São lembranças quem vêm noite adentro, enquanto deito para dormir. Você aparece nua como a lua, nos meus sonhos, acordado. Acordado pareço estar dormindo. Te desenho através de imagens mais fantasiosas possíveis. Você é doce, é meiga, é carinhosa... é deslumbrante aos meus olhos. Não diria que estou apaixonado, diria apenas que sonho um dia estar contigo. Teus cabelos aloirados, teu olhar de quem manda no mundo, com um jeito autoritário, e todos pensam que és feroz, uma monstra, mas eu consigo penetrar o fundo de tua alma; e como ela é sensível, meiga, dócil. Lembro aquele momento enquanto estávamos sentados, conversando olho no olho. Queria tanto ter te beijado, ter sentido os teus lábios, Clarina. Teus olhos brilhavam para mim como os olhos de uma menina apaixonada. E eu fiquei me perguntando: será que ela também gosta de mim?

É, Clarina, onde estás neste momento?

adenildo lima

Marjorie Estiano - Você sempre será

Mal-estar

Parece estranho, mas é verdade: existe um monstro caminhando por aí, ele se chama mal-estar. Ninguém consegue explicar com precisão, mas ele começa a ganhar vida a cada dia que se passa. As pessoas andam depressivas, nervosas, revoltadas, descontroladas; maquinizadas. Alguns correm demais! E outros não conseguem perceber a longa estrada que leva a lugar nenhum.

adenildo lima

Legião Urbana - Tempo perdido

São exatamente duas horas e vinte e dois minutos da madrugada. Em algum lugar do mundo, neste momento, tem alguém falando de amor. E eu, aqui, em pleno silêncio também estou tentando falar alguma coisa. Costumo dizer que tentar já é um grande começo.

O amor, como todos sabem, tem milhões de interpretações, alguns conseguem enxergar flores, já outros conseguem enxergar até mesmo maldade em um ato de amor. Sempre falo que um texto é interpretado conforme o conhecimento do contexto de cada um. Sim, exatamente, conforme o contexto de cada um. Por isso é necessário que tenhamos respeito pelas diversidades. Se é fácil? Não! Os grandes conflitos existentes são dentro de nós mesmos. É preciso olhar com calma, com carinho o nosso olhar, quando nos olhamos no espelho. Não são as maquiagens que vão esconder a dor existente em cada um, por detrás do olhar é possível que exista alguma lágrima denunciando a dor.

Amar é uma tarefa difícil, mas felizes os que amam, a eles é dado o dom de perdoar...

adenildo lima

R.E.M - Until the Day Is Done - A Take Away Show


Segundo informações que encontrei na internet, a banda R.E.M chegou ao fim, mas numa boa, sem brigas....

adenildo lima

sábado, 24 de setembro de 2011

Clarina

teu jeito de ser menina me faz perder o controle. você é mulher, é bem mais do que pensavam os meus pensamentos de homem nos ensejos de encontrar alguém para amar. e quando você me olha, você acaba comigo. deixa-me fora de controle, fora dos meus próprios impulsos. sonho contigo a cada momento que te vejo. te desejo a cada olhadela que me olhas. você é mais do que qualquer sonho que já sonhei nos olhares de adolescente aos trinta. você não sabe, Clarina, mas tudo o que eu quero é poder abraçar teu corpo, beijar teus beijos, sentir teus desejos e acreditar que depois de várias madrugadas sozinho nas noites escuras é possível encontrar alguém para amar. assim eu te amo, Clarina, menina que dar sentido aos meus olhos.

adenildo lima

rua sem saída

batatas e cebolas e cenouras e alfaces fazem a festa da dona de casa que feliz prepara a melhor janta para o almoço dos filhos e os filhos felizes esperam pela comida para dar sentido a vida que distraída passa tão depressa na pressa que regressa no horizonte de um novo amanhecer mas o sol não vem também na grande cidade a natureza é ausente com sua essência tão poética e tão romântica aos olhos dos apaixonados que nadando em sentimento sonham em encontrar um caminho cheio de paz cheio de luz na claridão que reluz nos olhares das mulheres nas esquinas das ruas mais famosas e famosas mesmo são a fama de quem a frequenta

adenildo lima

2011

são luzes acesas pelo centro da cidade clareando as luzes apagadas dos postes. uma criança passa pedindo um pão para alimentar seus desejos famintos. é um sonho, é uma esperança no olhar daqueles que ainda amam. amar é uma tarefa árdua. e viver é bem mais difícil do que os livros de foucault, sartre, drummond, graciliano, machado, dostoiévski.... viver é uma tarefa complicada posta no meio da estrada sem luz para brilhar nos horizontes das crianças famintas de amor, de colo... materno é uma palavra quase impossível de encontrar neste século 21.

adenildo lima

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Caetano Veloso - Homem

à mulher é dado o poder dos orgasmos múltiplos... pena que poucas conseguem aproveitar isso...

adenildo lima

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Titanic - celine dion - trilha sonora

estar apaixonado

estar apaixonado é como um sonho
e não sabemos
necessariamente
interpretar
ao acordar

isso é
se acordamos

estar apaixonado é improvisar versos e sonhar
com as estrelas
com o mar
com a lua
transparente e nua

estar apaixonado é deixar o corpo seguir sem destino
e sem rumo
é ser criança
é voltar a ter esperança
é não interpretar o mundo
negativamente
é a mente que nos move
mesmo desmovida pelo impulso da paixão

estar apaixonado
é nadar e não se afogar
é abraçar o vento
respirando a tempestade do mar

estar apaixonado
é tudo o que eu não sei explicar

adenildo lima

Notre Dame De Paris song 25 Le Val D'amour

Passos...

A estrada é longa, caro amigo: um passo, dois passos, três passos; um passo. As pernas se sentem cansadas. Os olhos buscam no horizonte uma luz que possa clarear os passos. Joana senta à beira do caminho. Observa o tempo. Lembra do tempo de criança. Uma lágrima cai. Um sorriso disfarçado, misturado com uma esperança continua a acreditar... A estrada é longa, caro amigo. Joana lembrou também do tempo que tinha milhões de poderes, ou, a sua profissão lhe dava isso. Teve seu cargo exonerado. Só ali, naquele momento, descobriu que nunca teve poder nem um. Joana era forte, era uma menina, era uma mulher... mas só descobriu tudo isso ali, à beira da estrada.

A estrada é longa, caro amigo. E viver é uma luta árdua.

adenildo lima

terça-feira, 20 de setembro de 2011

marisa monte - meio desligado

São Paulo, 20 de setembro de 2011.

Prezada Veruska,

Pensei bastante em tudo o que você me falou ontem à noite. Concordo plenamente que as pessoas estão a cada dia que se passa, mais maquinizadas. Isso é triste. Amor passa a ser uma palavra ausente dos vocábulos usados no dia a dia. É uma luta constante pela sobrevivência, mas uma sobrevivência onde o dinheiro é a base de tudo. É uma correria demasiada demais. Cidadãos de bem, poucos vencem esta guerra. Os olhares estão frios. Concordo com você, Veruska, poucos se olham nos olhos. Olham mesmo a roupa que vestimos, o carro que temos, ou não temos, aliás, o Ser que podia ser chamado de humano está a cada segundo que se passa se tornando mais e mais em objeto.

Possivelmente muitas pessoas não concordem com isso que estou compartilhando contigo agora, assim como não concordei com você, ao falar que não vale mais a pena amar. Não, não concordo! O único sentimento que move o mundo ainda é o amor. Pena que as interpretações são múltiplas. Mas não deixe o seu amor morrer. Em alguns lugares terão muitos profissionais corruptos. Sim, terão. Mas não podemos generalizar. Vamos fazer a nossa parte. Não faça amizades com as profissões das pessoas. As profissões são apenas rótulos. Alguns ganham até poder com elas, só que ao perdê-las, qual poder lhe resta? Num diálogo escute sempre o silêncio barulhento das palavras. Elas dizem bem mais do que a voz sonora ou rouca vinda aos nossos ouvidos.

Veruska, sei que a descrença existe, mas se criticamos e não fazemos nada para uma determinada mudança, o que estamos fazendo? Se eu não concordo com tal erro, por que cometê-lo? Seria mais do que um erro duplo. Eu concordo com você ao falar que existem pessoas que são manipuladas por não terem forças para lutar contra os seus "superiores". Eu, Veruska, costumo dizer que é mais louvável perder a vida a perder a dignidade. Tudo bem que isso é uma metáfora. Ao saber de um erro e continuar ali, passa a fazer parte.

Mas que tal mudar um pouco de assunto, né?

Você me pegou de surpresa ao dizer que em tempos passados era apaixonada por mim. Pena que não foste capaz de se declarar. O que te levou a não me dizer? Éramos amigos, com certeza nada iria ferir nem a mim nem a você. Se surge um sentimento além da amizade, é louvável, Veruska, que se leve adiante. E como você sabe, a fêmea no reino animal tem o poder da conquista. E vamos ser sinceros: quando a mulher quer ela consegue.

Agora é seguir adiante: não se vive de passado e muito menos de futuro. O presente é o que nos resta.

Carinhosamente,

Chatov.

Escrito por:

adenildo lima.



amar para quê?

amar. amar para quê? ama-se para nada, pois amor é dado de graça e nada o paga. ama-se para ser amado? quem ama não espera recompensa, apenas ama. amar é privilégio de poucos, mas todos podem amar. amar é caminhar sobre pedregulhos sem perder de foco o olhar. é valorizar cada espinho encontrado na vida. é abraçar as crianças sem desprezar os idosos. é transar não apenas por um prazer mas sentir prazer ao estar com a pessoa, e que seja amada. não se ama para nada. e muito menos para tudo. amar se ama apenas por saber que é o sentimento mais forte, a arma mais poderosa. e não se ama por estar sendo amado ou por estar sendo odiado. ama-se apenas.

e sei que dizem que todo amor é uma forma de interesse. um interesse por amor é um interesse apenas por amor.

adenildo lima

Caetano Veloso - Alegria, Alegria

Aniversário

Tenho quarenta anos, aliás, estou completando hoje. Casei aos 32. Separei-me aos 35. Se foi bom o casamento? Sim, não tenho nada que reclamar. Durou bastante, inclusive, 3 anos. Se não foi possível continuar, isso não quer dizer que deu errado, mas sendo sincera, não pretendo casar novamente, e isso não quer dizer que eu não sinta falta de um homem. Sim, sinto, mas sinto mais falta das paqueras. É bom ser paquerada. Quando eu era adolescente roubava milhões de olhares e palavras dos meninos aborrescentes querendo me conquistar. Eu até ficava com raiva, incomodada. Hoje, sinto falta, pelo o incrível que pareça. Sinto falta. Não sei se as minhas colegas vão concordar comigo, mas mulher gosta de ser percebida.

Neste momento estou sentada num banco de um parque. As pessoas vão e vêm fazendo exercícios. Fico lembrando do passado, aliás, as lembranças vêm a mim, fazendo-me recordar momentos felizes, e tristes também. Sim, como falei, tenho 40 anos, mas nunca consegui entender o que significa a idade, mesmo sabendo que ela é milagrosa, faz a gente amadurecer, a aprender a respeitar mais as diversidades e pensar um pouco mais em si mesmo. "Bom dia". É, bom dia aquela senhora diz, trazendo-me sorrisos. Ela deve ter 70 anos.

Não, não estou tão acabada assim, acredito que seja coisa de mulher ficar preocupada. Como os homens dizem: "Não olhamos o que você veste". E é verdade, mulher se veste para outra. É estranho? Pode até parecer estranho, mas é verdade.

Uma criança chora. Uma mãe se preocupa. E eu estou tentando entender o que significa a idade. E o parque continua sendo um lugar de diversão e exercícios.

adenildo lima

domingo, 18 de setembro de 2011

Lulu

Lulu estava deitado na calçada, cansado de tanto andar a procura de algo para comer. Com a língua um pouco de fora. Algumas pessoas vinham e iam. Era madrugada, umas 3h mais ou menos. Lulu tinha chegado da caça a 20 minutos. Chegou. Sentou-se encostado a parede de um prédio velho. Cochilou e depois deitou seu corpo ao chão.

Lulu demonstrava ter uns 10 anos de idade. Alguns dizem que ele passou a morar naquela rua fazia dois anos. Os donos dele tinham ido embora para outro estado. E ele ficou sem dono. Chorou por alguns dias. Ficou triste. Algumas pessoas percebiam isso, mas ninguém o adotava. Fisicamente falando era um cachorro feio: magro, orelhas caídas, calda rabugenta, e era triste, aliás, antes era um cão alegre, mas ao ficar sozinho, a dor de estar só o deixou muito machucado psicologicamente.

Lulu, ali, deitado naquela calçada nem viu o dia amanhecer. Uns vândalos tiraram sua vida. E como tiraram não tenho coragem de descrever. Foi bastante triste. Pobre de Lulu, nunca mais acordou. Ainda hoje deve restar alguma lágrima dele perdida no olhar de alguma pessoa que carrega um peso na consciência por não o ter adotado. Já os vândalos, ninguém tem notícias, afinal, foi um pobre Lulu que foi morto. E qual valor tem um pobre para os olhos de uma justiça que enxerga pouquíssimo?

Pobre Lulu...

adenildo lima

o rappa - minha alma

simply red - maybe someday

beleza feminina

sim, é louvável a preocupação da mulher em zelar de sua beleza física, mas o que a deixa fascinante mesmo é o seu charme, sua essência com aquele jeito meigo que faz com que os homens paralisem o olhar diante dela.

ontem ao entrar no metrô vi uma jovem-mulher tão encantadora que me fez ficar sem ação, confesso. veio-me uma vontade louca de ir falar com ela, de conhecê-la; não tive coragem. é impossível descrever aquele jeito sério, atraente, de sedução, um olhar guardando por detrás dele, milhões de mistérios.

tinha aproximadamente uns trinta anos de idade, mas no seu jeito de ser demonstrava ter 20 anos. talvez ela nem saiba que é tão sedutora o quanto que é, ou foi para mim. fiquei até chateado, pois em nenhum momento ela percebeu a minha presença. eu queria por alguns segundos ser observado por ela. eu teria tentado dizer através dos meus olhos que ela era uma coisa rara.

levantou-se, sempre séria, misteriosa, atraente, sedutora... esperou a porta abrir ... foi-se embora...

nunca mais a verei... e ela nem sabe que eu existo...

adenildo lima

simply red - sunrise

ápice do amor

mesmo que você diga que não, menina, sei que estás querendo um pouco mais... de amor. abraçar o teu corpo, sentir as batidas do seu coração e os seus gemidos de prazer ao ter o teu corpo unido ao meu. mesmo que você fale que está bom, sei que podemos melhorar, já que amor é dado de graça e com graça podemos viver um pouco mais de diversão. ah, teu suor adentrando minhas narinas com cheiro de sexo é tudo o que o ápice precisa para chegarmos ao orgasmo. e enquanto o mundo grita por dor, aqui, nós, casa afora sem hora vivemos tudo o que podemos desfrutar. e mesmo que você diga que sim, sei que o prazer mesmo virá depois do sexo. ah, abraçar teu corpo, beijar teus beijos, sentir sua respiração de satisfeita... esta sim, é hora perfeita para concretizar o que começamos no tapete, ou no sofá, na pia, ou no banheiro, na cozinha, ou numa área qualquer. agora sim, meu amor, podemos dizer que o amor está concretizado.

adenildo lima

nobody's fool - avril lavigne

The Corrs - Runaway

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

é preciso amar sempre, principalmente quando há descrença de um mundo melhor

adenildo lima

Avril Lavigne - Knockin' on Heaven's Door

Desabafo

é, meu amigo, você não sabe o que é estar apaixonado. é um mundo diferente, inteiramente diferente. parece que tenho 15 anos de idade. e como você sabe estou com 60. não tem idade para se apaixonar. fico a noite toda acordado pensando nela. crio um mundo imaginário. crio tantas coisas. fico pensando indo com ela ao teatro. tomando um shop. um vinho... e até mesmo brincando de ser feliz. é, meu amigo, você não sabe o que é estar apaixonado. por favor, não me faça esta cara de inocente. se você soubesse o quanto estou sofrendo me ajudaria a sair dessa. tudo bem, não vamos forçar a barra. é difícil! não vejo a hora de poder abraçá-la, beijá-la, dormir abraçado com ela. até pensei em escrever um poema pra ela. mas não sei nem mesmo fazer um verso. ah, meu amigo, homem apaixonado vira poeta. até imagina um mundo onde só existe amor. que amigo é você que não me ajuda a sair dessa? mas sendo sincero, eu não quero sair. é uma dor boa. não sei explicar...

você fica rindo, né? oh, espelho maldito!!!

adenildo lima

Paulinho Moska, Último dia

Um silêncio extremo

Paulo ouviu da namorada pelo telefone que tudo estava acabado. Ele apenas colocou o telefone no gancho e voltou a dormir. Pois é, parece estranho, mas foi assim mesmo. Duas horas depois ele acordou. Tomou banho, vestiu-se e saiu para encontrá-la. No caminho lembrou que tinha sonhado com o término do namoro. Não acreditou e ficou rindo dele mesmo. Chegou no local combinado, esperou por mais de uma hora e Nádija não chegou. Pegou o celular e resolveu ligar pra ela. Em prantos a mãe dela atendeu.

- Mas o que aconteceu, dona Amélia?
- Minha filha cometeu suicídio...

...

Silêncio total ...

adenildo lima

Gilberto Gil - Não Chore Mais (No Woman, No Cry)

Solidão

Andando pelas ruas da cidade é possível perceber nos olhares das pessoas uma solidão. A solidão, ao contrário do que dizem, não é algo ruim. A partir dela podemos repensar tantas coisas, principalmente nos conhecer um pouco mais. O que é complicado é que as pessoas estão, a cada dia que se passa, mas solitárias com elas mesmas. Isso é ruim. Não sei se é a correria louca que a vida agitada nos proporciona, ou a perda de valores que aos poucos estamos perdendo. Mas quais valores? É possível que a minha resposta não seja a mesma que a sua, mas também é importante repensá-la. Quando falo em perda de valores, refiro-me a perda da sensibilidade que temos como seres humanos. E é possível também que você concorde que ultimamente as pessoas estão lutando mais pelo dinheiro do que mesmo pela preservação de seus ideais, ou seja, estão sendo meros bonecos manipulados pelo sistema. Se sempre houve algo parecido, acredito que sim, mas que está pior a cada dia que se passa, sim.

Solidão é um sentimento que todos nós devíamos ter, só que com uma interpretação positiva.

adenildo lima

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Renato Russo - mais uma vez

Brincando com as coisas do mundo

Ainda há tempo para amar, para sorrir, para brincar, para gritar, para chorar... ainda há tanto para tantas coisas. Quem disse que não há tempo para perdoar? Há, sim, há tempos para perdoar. O tempo que não deveria existir seria o tempo para odiar. Por que há tempo para odiar? Será que há? Não sei, em toda a minha vida procuro sempre amar. Não tenho culpa se de repente alguém não gosta de mim, mas isso não me leva a encontrar motivos para odiá-lo. Ainda continuo acreditando que o amor é a arma mais poderosa. O amor é carinhoso, é sutil, não fere por maldade; quem realmente ama não fere por maldade. O que precisamos mesmo é não carregar ódio ou rancor. Pesa demais!!! Por que carregarmos peso se podemos carregar o amor que é tão leve?

adenildo lima

billy ocean - caribbean queen

santíssimo altar

1999. retiro religioso. centenas de jovens. eu estava na capelinha, em oração. ele veio com uma tentação dos diabos. ficou ao meu lado. começou a rezar. pegou minha mão. meu corpo tremeu. em silêncio falei: júlio, estamos num lugar sagrado. e ele respondeu: calma, karina, é pecado eu te amar? disse que não. todo mundo estava dormindo, eu acho. aos poucos fui sentindo minha mão sendo apertada pela dele. seus olhos brilharam diante dos meus. a luz suave da vela nos observava. parece que ela estava torcendo por nós.

- júlio, nós não podemos, convivemos juntos a tanto tempo...
- karina, se eu sou culpado por estar apaixonado por você, que deus me castigue, mas quero que saibas que tudo o que eu quero em minha vida é você.

a luz da vela já não existia mais para nós. fiquei parada com os olhos fixados nos dele. tremi. gaguejei. tive vontade de sair correndo. não tive coragem. "eu te amo", ele disse. sem querer, abri um sorriso. senti meus joelhos querendo criar forças para me levantar. ficamos ajoelhados. ele se aproximou de mim. seus olhos iam cada vez mais se misturando com os meus. ele me beijou.

quando senti os lábios dele encostando nos meus quase chorei. meu coração disparou. lancei meus braços sobre as costas dele e correspondi ao seu beijo entre suspiros. há quanto tempo eu também esperava por aquele momento.

- karina, eu te amo...

e ele sussurrava meu ouvido com um "eu te amo" tão doce. aos poucos nossas mãos foram apertando nossos corpos. ele me beijava o pescoço. acarinhava minhas pernas, suavemente, com as pontas dos dedos. eu suspirava mais e mais... quase desmaiando.

- mas o que vocês estão aprontando aqui, garotos?!!! por acaso aqui é lugar de fuleragem?!!!

- padre, tudo o que é feito com amor e não faz mal a ninguém não é pecado. foi o senhor mesmo quem disse ontem, não lembra?

júlio, menino corajoso, encarou até o padre.

adenildo lima

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

GOD- john Lennon

... EU...?!!!

deixei de acreditar em tudo para acreditar apenas no amor

adenildo lima

Sozinho - Caetano Veloso

Lapsos

Sim, têm dias que a gente acorda inteiramente triste ou alegre, mas depois que levantamos, depende de nós fazermos com que seja melhor ou pior. Não é se lamentando e culpando aos outros que vamos chegar a algum lugar cheios de êxtase. Existem pessoas ao nosso lado que muitas vezes não está precisando de muito, precisa apenas de um sorriso. Quanto custa um sorriso para você? É importante que não olhemos as pessoas apenas pelas palavras; detrás delas existem mistérios, lágrimas, solidão, felicidade, sonhos...

Sim, eu sei, há momentos em que queremos parar o relógio para poder descansar tranquilo. Inteligente é aquele que transforma o tempo em seu escravo e não ser escravo dele. No tempo, existem tantas horas boas para desfrutarmos, por que ficar preso as piores?

Não é o vizinho que faz a sua história - às vezes ele tenta -, mas a nossa história é aquela que deitamos na cama, debruçamos a cabeça sobre o travesseiro, e conseguimos dormir em paz. Eu prefiro o sorriso interesseiro de uma prostituta a um sorriso de uma menina de porcelana.

Vejo que as pessoas se preocupam muito pelo o que não conseguiram fazer. O importante mesmo é saber que tentou... agora quem não tenta, é bom que acorde...

adenildo lima

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Nelly Furtado canta "Sozinho", de Peninha, que ficou conhecida na voz de Caetano Veloso

Valéria

A madrugada está gostosa, a lua se encontra meio que envergonhada, por detrás da poluição da grande São Paulo, mas o seu brilho com um ar bem carinhoso, meio que frio e ao mesmo tempo meio que romântico, me traz lembranças suas. Estou me sentindo meio que sozinho. Estou sentado aqui há duas horas. Violão já nem toca mais, está debruçado sobre minhas pernas. Um casal passa rua afora, rindo, brincando; é um casal de adolescentes. E eles me fazem lembrar você, Valéria. Lembro cada segundo que estivemos juntos. Foi bastante tempo, né? Eram tão bons aqueles nossos passeios. Uma vez fomos ao teatro, ali, na Avenida Paulista e, antes de entrarmos, ficamos num barzinho, tomando uma cerveja, numa mesa na calçada da Avenida, bebíamos e observávamos os transeuntes. Bebemos quatro garrafas de cerveja de marca Original. Pois é, Cerveja Original, você dizia que não tomaria outra, se não tivesse Original, não tomaria. Até lembro que te chamei de metida e orgulhosa. Você riu. O nosso relacionamento era tão bom, né. É, Valéria, você sumiu, assim, de repente. Sinceramente não sei o que aconteceu. Não lembro ter cometido algum ato desagradável contigo. Não lembro, juro! E outra, se eu tivesse feito algo de errado, ao seu entendimento, pela nossa liberdade e transparência que sempre tivemos, caberia a você me falar. Foi estranho, tomaste uma decisão que até hoje não consigo acreditar. Respeitar eu respeito a sua decisão, sem dúvida! Mas que foi estranho foi.

Naquele dia, lá na Paulista, assistimos a peça de teatro Tristão e Isolda. Lembro que gostamos tanto, foi muito bom. E também nem sei o motivo que me leva a ficar lembrando isso agora. Acho que é a madrugada que está colaborando, sendo sincero, não sou mais apaixonado por você, até parece que nunca existiu, sabe? Comigo é assim: acabou, acabou e pronto! Só que agora fico lembrando, isso me incomoda. Acredito que seja pela nossa amizade, pois sendo sincero, você é como se tivesse morrido para mim, não lembro mais de você. Costumo dizer que a gente colhe os frutos conforme o cultivo das plantas... então...

Lembro que você chorou quando veio me dizer que não dava mais. Perguntei o motivo. Você não disse nada, ficou calada. Só no finalzinho da nossa conversa disse que estava apaixonada por outro. Confesso que gelei, não quis aceitar, fiquei sem voz por uns dois minutos. Você Lembra? Depois te desejei boa sorte. É, te desejei boa sorte e você não gostou. Será que você queria que eu ficasse sofrendo? Não posso acreditar, éramos tão transparentes um com o outro. Será que você já casou, Valéria? Sabe, estas perguntas idiotas vêm a mim. Gostaria de controlá-las, mas parece que não tem jeito, a gente não domina mesmo os sentimentos, né? Será que eu ainda gosto de você? Acredito que não, são apenas lembranças.

A madrugada está tão boa. Até um cachorro brinca na rua como se nada de ruim existisse. Um rapaz bêbado também passa cambaleando rua afora. Me olha e pede pra eu cantar uma canção. Falo que cansei. Ele me manda pra merda. E sai rindo. É a vida...

E se a vida é assim, vou vivendo a minha...

adenildo lima

djavan - oceano

A continuidade de uma amizade

"... Sim, mas.... por que tem que casar?"
"Ah, para formar uma família, Chatov, e ser feliz"
" Tudo bem, Nastácia, mas acha que felicidade é sinônimo de casamento? Se fosse tantos casais não viveriam ao pé de guerra."
"Nem todos..."
"Hum hum..."
"Nossa, você também, até faz parecer que casamento é crime."
"Calma, Nastácia, não é bem assim. O que eu estou tentando dizer, na verdade, é que você nem está se preocupando em iniciar um namoro comigo, já fala em casar, é complicado, precisamos ter vivência primeiro, não que eu ache que casamento é o melhor caminho, mas... ninguém sabe o que pode acontecer."
"Entendo, Chatov, te peço desculpas, pela brincadeira que fiz."
"Não precisa se desculpar, não há nada mais bonito do que a gente se declarar pra alguém. O que você fez te torna ainda mais mulher, diante de mim. Quando procuro falar ao contrário, estou querendo dizer, na verdade, que as pessoas se prendem tanto num passado ou num futuro e esquece de viver o presente. Vamos viver o presente... Não vejo nada que possa impedir que tenhamos um namoro maravilhoso, o que vai acontecer, vai depender do que vamos viver, entende?
"Sim, entendo, acho que é por isso que te admiro tanto."
"Por, assim você me deixa sem graça."

adenildo lima

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

ERIC CLAPTON - TEARS IN HEAVEN

A história de Paula

Me chamo Paula, tenho 19 anos de idade. Em pleno início da juventude. Gosto de diversão. Adoro fazer amor. Sim, falei fazer amor. Não me envolvo com ninguém se eu não tiver sentimentos por ele. Sei que muitos dizem por aí que sou uma menina mimada. E outros até falam que sou uma prostituta. E daí? Existe algum crime contra a humanidade por eu gostar de uma vida sexual ativa? Sim, gosto, não necessariamente do sexo. Sexo é banal quando não vindo com amor. Mas no meu caso é ao contrário: se não tiver amor, não tem sexo. Só! E basta...

Eu entendo até quando dizem que sou uma menina e que conheço muito pouco da vida. Mas quem conhece a vida? Talvez eu já tenha vivido bem mais do que alguém que tenha 70 anos. É relativo quando se trata de vida. Meus pais nunca me obrigaram a nada e muito menos a deixar de fazer alguma coisa. Sempre sentaram numa boa para conversar comigo. Sempre procuraram mostrar o ponto de vista deles, com a maior educação possível. E isso possivelmente tenha feito com que eu ficasse madura ainda na adolescência. E ficar madura na adolescência não quer dizer que eu não tenha curtido esta fase tão maravilhosa que todos nós temos. Sim, aproveitei e muito.

Hoje estou com meus 19 anos de idade, quase 20 na verdade, faço aniversário no dia 10 de novembro. Fiz amor pela primeira vez aos 16 anos. Se foi bom? Olha, sinceramente não diria que foi ruim, pois o meu nervosismo atrapalhou um pouco. E posso garantir que Vinícius não teve culpa nenhuma, aliás, ele foi muito carinhoso, procurou me deixar inteiramente à vontade, em nenhum momento procurou ir além do que eu não quisesse naquele momento. Não me arrependo de ter feito amor com ele. Depois nunca mais o vi, acredita? Pois é, fiquei sabendo dois anos depois que ele tinha sofrido um acidente de trânsito. É, a vida é complicada, estive com ele apenas 1 mês, no meu período de férias.

Às vezes acho que sempre fui e sou meio louca. Há um ano moro sozinha. Sim, meus pais continuam me ajudando em tudo o que pode. Lembrando que eles não são pobres, têm uma vida socialmente boa, no sentido financeiro; amoroso também, eles se dão bem, inclusive com meus dois irmãos mais novos: João Vitor e Fabiana.

Estou no segundo ano na faculdade, estou cursando Sociologia, uma escolha inteiramente minha. Conversei com meus pais e eles disseram que eu precisava seguir os meus sonhos e não os sonhos deles. Não sei se vou mudar futuramente, mas no momento estou bem convicta do que estou fazendo. Estou gostando mesmo. E não deixei de lado os meus romances e poemas. Adoro!

Trabalho como estagiária. Ganho pouco, mas me ajuda bastante. Os meus avôs sempre me disseram que o importante é valorizarmos o pouco que temos. Aprendi muito com eles. Eles tiveram uma vida muito difícil, mas educaram meus pais com a melhor educação possível. Sim, estou falando dos meus avôs em geral: paternos e maternos. Às vezes fico no meu quarto pensando, e sinto muita saudade deles. O meu namorado sempre que pode vem aqui no meu habitar. Mas procuro deixar bem claro pra ele que no momento não quero compromisso, quero mais me divertir com responsabilidade. Ele entende, eu acho. Acho também que logo logo a gente termina. Ele parte pra outra e eu parto pra outro. E assim a vida continua...

Como falei no começo meu nome é Paula. Este é um pouco da minha história, talvez se pareça com a sua, mas esta é a minha...rs...

adenildo lima

Milton Nascimento - coração de estudante

Rosa

O nome dela é Rosa, mas é conhecida por todos como Ângela. Como qualquer cidadão que carrega dentro de si a sensibilidade humana, ela tinha um sonho: o sonho de não apenas apreciar as flores, mas também conhecer a importância dos espinhos.

Passou muito tempo pregando o amor. Acreditava firmemente no amor. E via amor em tudo, até mesmo nos olhares revoltados das pessoas. Aprendeu na vida que não leva a lugar nenhum, criticar apenas, é preciso ter coerência nas críticas, afinal todos têm razão, quem diz que não, que prove!

Ângela costumava dizer que não gostaria de ter papel: brincando, questionei: mas papel em branco ou escrito? Ela riu. Lembro claramente, inclusive o silêncio da noite ajudou a minha simples observação.

Papel...

Mas Ângela sabia que a vida é um enorme papel em branco e, somos nós mesmos que vamos escrevendo uma história, a nossa. Talvez o medo dela era o de ter o papel que a sociedade procura, muitas vezes, impor. O que eu percebi mesmo em Ângela foi que ela também sonhava com a liberdade. E quem não sonha? Mas qual liberdade?


Sartre, filósofo, dizia que o homem está condenado a ser livre. A liberdade é um sonho... e todos os sonhos precisam ganhar asas para voar. Que o nosso sonho de liberdade parta sempre de nós mesmos. Teoria é algo chato, bom mesmo é a prática.

Morrer é um meio para se sentir livre? - não sei. Quem sabe Ângela possa nos dizer, já que ela não está mais entre nós...? Mas o simples narrador desta história não acredita em vida após a morte, acredita apenas em vida.

Possivelmente neste momento algum leitor pergunte: Mas Vinícius, o que é a vida? E eu respondo: Quem disse que eu sei, apenas vivo a minha e procuro fazer com que muitos se sintam bem com as suas.

Lembro também que Ângela chorou. Lembro também que ela sorriu. Mas o que eu fico perguntando mesmo é:

Qual o papel que a minha querida Ângela não queria, ou quis, e não me falou...?...

adenildo lima



Milton Nascimento - "Canção da América" (1980)

Alguns cantores têm uma voz excelente. Já Milton Nascimento, tem na própria voz, um dos instrumentos mais afinados que eu já ouvi.

"Amigo é coisa para se guardar
Debaixo de sete chaves
Dentro do coração...."

domingo, 11 de setembro de 2011

Amizade

Costumo dizer que as minhas amizades, eu conquisto. E acrescento: se eu conquisto-as, procuro sempre as que passam a fazer parte da minha vida. Amizade é algo muito forte. Todo amor (verdadeiro) nasce de uma amizade. E se fortalece com ela. Se não houver uma amizade na relação pai x filho; irmãos x irmãos, esposo x esposa... o relacionamento será complicado.

Amigos não são os outros. Amigos são pessoas que passam a fazer parte da nossa vida. Sim, amigos fazem parte de nossas vidas. Se falta em determinado lugar, sentimos sua falta. E não é pelo motivo da ausência. Na verdade sentimos que em nós faltou alguma coisa. Amizade é assim...

Verdadeiras amizades precisam ser preservadas sempre...

adenildo lima

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

...

... mas a vida é assim mesmo: enquanto uns choram de tristeza, outros choram de alegria...

adenildo lima

Uma nação que ri nas lágrimas

É o sonho de todos que acreditam num mundo melhor, poder um dia alcançar com o olhar uma multidão correndo para o abraço, cantando o mesmo hino, falando a mesma a língua. É difícil, e muitos até dizem que é impossível. Mas aqui trago um exemplo para refletir.

Observem o Brasil numa época de copa do mundo. As lágrimas de tristeza se misturam com um olhar de alegria, talvez por um segundo apenas. Mas as cidades param, as empresas fecham, as ruas ficam desertas... e todos gritam um grito com um único objetivo: ser vencedor.

Possivelmente seja por isso que em época de copa do mundo o Brasil, quase cem por cento da população permita que as mãos se abracem sem demonstração de desigualdade. Sim, todos nós sonhamos com dias melhores, desejamos um grito de vitória. E como sabemos, o Brasil tem um povo muito sofrido.

O jogador pega a bola: é hora de bater um pênalti. Ele beija-a. Olha para a multidão: um silêncio enorme habita todo o planeta, um silêncio pronto para dar abertura para um grito de vencedor. O jogador põe a bola no gramado. O goleiro espera com a sorte. É decisão!

Em algum lugar uma mãe esquece a fome que aperta seu estômago, a dor que fere seu filho. Esquece a tristeza num momento feliz. Feliz... - É apenas um grito que todos esperam: um grito de vencedor. vencer a dor na dor é uma vitória dupla.

As escolas também foram fechadas, talvez para diminuir um minuto de dor no olhar do professor ou da professora, do aluno ou do pai que esperam por dias melhores na educação. E todos esperam um grito de vitória. O jogador continua com a bola, ali, diante de seu olhar que se concentra num desejo de uma nação.

Alguns momentos de lembranças passam em sua mente: a família, o país: um grito de vitória...

O Brasil é o único penta campeão do mundo... afinal a ilusão é a única realidade que eu conheço... Eu?!!!... apenas faço a minha parte, se você achar que é bom, pegue como exemplo...

Uma nação que ri nas lágrimas ainda falta muito para que os versos do poeta rimem amor com amor...

adenildo lima

Waka Waka - This Time for Africa - shakira

o povo brasileiro

o brasil é um país com o ritmo da áfrica e a alma de um povo brasileiro

adenildo lima

Fernando e Sorocaba - Teus segredos

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Flor de jasmim

Tudo o que eu queria neste momento, com este frio da madrugada, era você aqui ao meu lado, abraçada a mim, conversando qualquer assunto, um assunto qualquer, nada teria mais importância do que você mesma, por isso não iria me prender à temas... é você que desejo neste momento. Ter o seu corpo abraçado ao meu seria o mais importante. As lembranças vem ao meu encontro, neste momento, e eu só penso em você. Sabe, aquelas noites em que paramos para imaginar a pessoa amada? Este momento está sendo agora para mim. Você pode até não acreditar, Lílian, mas o que eu sinto por você é muito forte. Sim, sei que seu nome não é Lílian, mas me permita, por favor, usar um nome fictício. Sendo sincero, estou apaixoando por você. Teus cabelos, teu corpo medindo um metro e sessenta, talvez, teu olhar, teu jeito de ser, Lílian... ah, é tudo o que eu quero neste momento...

adenildo lima

Lobão - acústico MTV - Você e a noite escura

EMICIDA grava clipe com Zeca Baleiro, Criolo, Renato Teixeira e NX Zero

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

domingo, 4 de setembro de 2011

Crenças e descrenças

É preciso confiar em alguém e acreditar que ainda existem pessoas boas. Um sorriso perdido, numa esquina qualquer, pode valer bem mais do que um abraço ou um elogio cheios de interesses. Eu não posso ser para você o que você quer que eu seja, mas podemos conviver juntos com as nossas diferenças em perfeita harmonia, e isso só depende de nós, e se depende de nós, o que estamos esperando? Não é porque o mundo está "desacreditado" que vamos deixar de acreditar que possamos fazer algo bom, afinal quem é o mundo senão uma parte de nós?

É preciso amar as crianças, mas não esquecer de respeitar os adultos. Amar não pode ser uma fonte de interesses. Amar é amar por simplesmente amar, sem interesses, sem pretensões. O simples motivo de amar já é um grande passo para a conquista de tantas coisas boas.

adenildo lima

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

A libido da vida

Aos meus oitenta anos só vivo mesmo através das memórias que memoriam a minha vontade de viver. É, amigo leitor, através das memórias. "Mas senhor, a vida é o que vivemos", você diz. E eu fico pensando nas forças que já não tenho mais para viver. Estou fraco, sinto-me cansado, observo a rua com seus passageiros ambulantes, em plena madrugada. Quase nem durmo mais. Pego os livros e eles já não me dizem mais o que diziam quando eu tinha meus vinte anos de idade. E apreciar as páginas dos romances de DOSTOIÉVSKI passa a ser um passatempo. Aqueles personagens, amigo leitor, são retratos da humanidade de toda a vida. Aquela inocência com uma inteligência que muitas vezes nos causa raiva. Hoje, aos meus oitenta anos, percebo que é a outra face que não conseguimos enxergar enquanto estamos desfrutando da libido da vida. "Mas o senhor não acredita em vida após a morte?". Você me pergunta. E eu te pergunto se eu tenho essa resposta? Ou se você tem. Somos egoístas, individualistas ao extremo, pensamos muito no Eu, no Eu. Queremos ser eternos, sonhamos com a eternidade, e ficamos cansados da vida aos oitenta. Sim, falo isso, pois como estou falando desde o começo da nossa conversa, tenho oitenta anos.

A vida hoje me passa pelas lembranças. O passado parece ser sempre melhor. Quando eu tiver noventa anos, isso é se eu chegar lá, vou sentir saudades dos oitenta, e dos meus olhos vão cair uma lágrima. Tentarei pegá-la com as mãos, e ela será diluída no ar. Ficarei me perguntado, como estou fazendo agora: o que fiz de bom? É, esta pergunta é forte: O que eu fiz de bom em toda a minha vida para dizer que valeu a pena viver? Você abre um sorriso neste momento em que faz a leitura deste texto, um sorriso vindo com uma dúvida no olhar diante do reflexo que nos transmite o espelho. Até sente vontade de vir falar comigo para perguntar o que eu fiz durante esses oitenta anos vividos. Sendo sincero, faz menos de um dia que eu tinha vinte anos. Você pode não acreditar, mas é verdade, percebo isso agora. E pelo o incrível que pareça, não sinto que tenho oitenta anos.

Na minha juventude tentei várias vezes escrever poemas, sonhava em conquistar Natali Velásquez. Natali era uma jovem de dezoito anos. Cabelos longos, loiros, um metro e setenta, nariz fino, lábios carnudos, uma pele suave no rosto, um sorriso que transmitia felicidades para todos que conversavam com ela. E aquele jeito meigo, de menina que ela tinha, fez com que eu me apaixonasse loucamente. Um dia ela leu um poema que fiz especialmente pra ela, só que eu não falei, é claro, jamais iria falar. Ela leu, olhou para mim, com uma inteligência fora do comum e disse: "poetas nascem, não é como um produto que se faz". Aquilo mexeu comigo, e muito! Muito mesmo! Ela, leitora assídua de Drummond, de Fernando Pessoa, sabia que eu estava apenas tentando conquistá-la com uns versos improvisados. E um verdadeiro poeta jamais usa de sua poesia para conquistar uma mulher. A poesia não existe para isso. É claro que não!

Lembrando de Natali, abro um sorriso, a minha neta passa puxando um brinquedo casa afora. "Vô, tá rindo de quê?". Ela pergunta. Eu... apenas continuo rindo. Se eu fosse falar, talvez ela não entendesse, tem apenas dez anos de idade. Continuo ali, sentado na poltrona. Neste momento, possivelmente o amigo leitor esteja pensando que sou um velho caduco. E eu digo que nunca estive tão são. Olho a minha biblioteca, vejo a minha tese de doutorado, e fico me perguntando pra que serviu tantas pesquisas, tantas reproduções de outros autores, porque na verdade estudioso só reproduz, criar que é bom, é difícil. O meu sonho mesmo era ser poeta, mas Natali percebeu antes mesmo que eu descobrisse. Natali Velásquez. Até hoje sinto o sabor dos lábios dela encostando aos meus. Pois é, amigo leitor, eu não tinha te contado, acredito que você estava na expectativa de saber se eu tinha tido um envolvimento amoroso com ela. Tive. Foi breve, mas tive. Durou aproximadamente uns vinte minutos. Era o meu penúltimo dia, ali, na minha cidade natal. No dia seguinte eu estava viajando para o exterior, ia estudar, aliás, passar a maior parte da minha vida fechado numa universidade. Mas lembro claramente daqueles vinte minutos.

Sim, lembro claramente, amigo leitor. Estávamos sentados numa praça, e ela disse que sempre teve vontade de namorar comigo, mas tinha medo de se apaixonar, me achava um rapaz muito estudioso, via em mim um futuro brilhante, e ela podia atrapalhar esse meu futuro. Disse que tinha plena certeza que se tivéssemos namorados, iríamos casar. Fiquei ouvindo-a por um bom tempo. Peguei a mão dela, com carinho. Ela olhou para mim, os olhos dela estavam emocionados, demonstravam um sentimento de paixão tão forte. Aos poucos eles foram fechando. Os meus também. Os nossos lábios foram se aproximando. Foi tão gostoso aquele beijo, aquele momento. Depois de quinze anos voltei para um passeio. Ela estava casada, com dois filhos. Casou-se com um rapaz inteiramente ciumento, bruto. É, amigo leitor, confesso que Natali estava presente, mas já estava morta em vida. Ela quis me abraçar. Abriu um sorriso. Conversamos por aproximadamente uns cinco minutos. E saí.

Aqui, sentado nesta poltrona, aos meus oitenta anos de idade, fico me perguntando: "E se eu tivesse casado com ela, como estaria a minha vida hoje, ou como teria sido ?" Você também faz esta pergunta, eu sei. Mas a vida é o que vivemos, como você mesmo disse, não podemos ficar felizes ou tristes com o que traçamos com o decorrer dos dias vividos. Temos apenas que vivê-los. Ah, você também quer saber se eu casei. Curioso você é, amigo leitor. Respondo que sim. Casei, e tivemos uma filha maravilhosa. A minha esposa chegou a falecer faz cinco anos. Quando casei estava com quarenta e cinco anos de idade.

É, amigo leitor, a vida é o que vivemos. E se você aprendeu a amar, já é o suficiente para não se sentir tão sozinho.

adenildo lima.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Pablo Picasso e sua obra




Principais pinturas de Picasso no decorrer de sua carreira
Música: The Stranger - autor: Musicshake

fonte: youtube. Aliás, todos os vídeos que posto aqui são do youtube. Ao contrário, cito a fonte.

adenildo lima

Museu da Casa de Portinari

Um resumo da infância de Cândido Portinari, considerado um dos maiores pintores do Brasil e do mundo.

Despedida

- Vinícius, você precisa entender que não dá mais para continuarmos com esse nosso relacionamento.
- Sim, Fabiana, eu entendo, mas o que te levou a desistir logo agora que estávamos tão bem?
- E não quer dizer que a gente não vá continuar bem. Somos amigos, construimos uma boa amizade, além do nosso relacionamento amoroso, mas cheguei a decisão comigo mesma que não dá mais.
- Você está com outro?
- Não leva ao caso, Vinícius, o importante é que você entenda que não dá mais, e este já é um grande motivo.
- Sim, entendo, Fabiana, mas estávamos tão bem. Mulher é complicado de entender.
- Não se apegue a teoria, meu querido, não é que eu seja complicada ou não. Apenas o nosso relacionamento chegou ao fim, para mim. E é impossível seguir se não está bem para os dois.
- Sim, sei, mas será que não podíamos concertar o que estamos errando?
- Nós já conversamos sobre isso, Vinícius, você sabe que não dá.
- Sim, lembro, mas pensei que tudo fosse melhorar.
- Nao quer dizer que está ruim, Vinícius... vamos seguir nossas vidas, eu vivo a minha você vive a sua.
- Mas é tão difícil, Fabiana, viver a vida sem você. Desculpa as minhas lágrimas, é que vou sentir muito a sua falta.
- Não precisa se desculpar, veja que também estou emocionada, mas a minha decisão, na verdade nem é a melhor pra mim, mas sim, pra você. Eu tenho uma vida complicada, você sabe disso, quase não tenho tempo, vivo igual a uma louca. Você merece alguém melhor do que eu. Você sabe disso.
- Não, não consigo enxergar nada melhor além de você, mas se você quer assim e acredita que é o melhor para nós dois. Que seja! Quem sabe um dia nos encontramos por aí...
- Mas não quero que você se vá, podemos ser eternamente amigos...
- Não sei, às vezes para esquecer alguém é preciso se ausentar dela.
- Mas não quero que você se ausente.
- Mas este já não é mais um querer seu, Fabiana, é o que melhor me fará feliz, ou não. Não sei.

adenildo lima

tarsila amaral - é brasileira, é patrimônio nosso

t

Dostoiévski

Confesso que ainda não li todos os escritores, considerados os melhores do mundo, mas já li bastante. Aqui, arrisco-me a uma afirmação sem nenhum medo das críticas. Para mim DOSTOIÉVSKI é o melhor escritor de todos os tempos. Não estou tirando o mérito de SHAKESPEARE, ele tem o lugar dele, e num lugar bem alto, assim como MACHADO DE ASSIS, o melhor do Brasil... Mas Dostoiévski, para mim, é o melhor do mundo. Me perdoem os demais...

pia toscano - this time

mais uma popstar chegando no mundo pop. gostei do videoclipe, e dela também...rs..